Covid-19: OMS procura novos instrumentos financeiros para combater défice de 23 mil milhões

Em causa está a aliança de vacinas da OMS e da GAVI para fornecer aos países pobres testes de diagnóstico, medicamentos e vacinas através de um fundo conhecido como acelerador de acesso às ferramentas Covid-19 (ACT), criado em abril passado.

Organização Mundial de Saúde

A Organização Mundial da Saúde (OMS) está a procurar novos instrumentos financeiros para ajudar a preencher um défice de 28 mil milhões de dólares (23 mil milhões de euros) em ferramentas de combate à Covid-19, avançou a “Reuters” esta terça-feira.

“Neste momento, o financiamento é o que nos separa de uma recuperação rápida dos efeitos da pandemia”, referiu Bruce Aylward, um conselheiro sénior da OMS  à margem de uma reunião da ONU em Genebra. “É um verdadeiro desafio no ambiente fiscal de hoje”, garantiu.

Em causa está a aliança de vacinas da OMS e da GAVI para fornecer aos países pobres testes de diagnóstico, medicamentos e vacinas através de um fundo conhecido como acelerador de acesso às ferramentas (ACT na sigla inglesa) Covid-19 , criado em abril de 2020. Bruce Aylward, que também é coordenador da ACT, assegurou que empréstimos concessionais e títulos de catástrofe foram temas discutidos numa reunião do conselho do ACT na segunda-feira, um encontro co-presidido pela Noruega e África do Sul.

Aylward garantiu que a OMS e seus parceiros estão em negociações com a Pfizer para incluir a sua vacina Covid-19 como parte de uma implementação global antecipada. O conselheiro da OMS contou ainda que existe um “forte compromisso” por parte do CEO da Pfizer, Albert Bourla, para definir os preços em níveis adequados para as populações mais pobres.

O Canadá prometeu gastar 313,18 milhões de euros para apoiar os testes, tratamentos e vacinas Covid-19 em países pobres, incluindo tratamentos com anticorpos, anunciou a ministra da Ajuda Internacional, Karina Gould.

Relacionadas

OMS investiga nova variante da Covid-19

O alerta tinha sido dado esta segunda-feira pelo secretário de Estado de Saúde britânico, que afirmou no parlamento que essa variante está a ser encontrada no sul do Reino Unido.

Colômbia aprova lei que garante acesso universal e gratuito a vacinas

A campanha de vacinação poderá arrancar no primeiro trimestre de 2021, tendo como prioridade trabalhadores do setor da saúde e outras pessoas de risco, com doenças como diabetes, problemas cardiovasculares ou renais ou com mais de 60 anos.

OMS lança campanha para deixar de fumar com ajuda das redes sociais

A Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou hoje uma campanha que vai durar um ano em que vai desafiar 100 milhões de pessoas em todo o mundo a tentar parar de fumar com a ajuda das redes sociais.
Recomendadas

Número de pessoas com diabetes tipo 1 pode duplicar até 2040

Perante a falta de conhecimento sobre as causas da doença, os especialistas pedem um diagnóstico atempado e um maior acesso a bombas que automatizam a administração de insulina.

“Há um défice de anestesiologistas, as necessidades são cada vez maiores”

Em entrevista, a presidente da Sociedade Portuguesa de Anestesiologia, eleita há poucos meses, alerta para o défice de especialistas no SNS, agravado pela multiplicação de áreas onde estes profissionais atuam e pela saída de anestesiologistas para o setor privado.

Violência contra profissionais de saúde aumenta e pode regressar aos níveis pré-pandemia

Só no primeiro semestre, foram reportados mais de 700 casos em Portugal. A grande maioria dos agredidos são enfermeiros e assistentes técnicos.
Comentários