Onda de calor na China força o fecho de várias fábricas de semicondutores

A razão é a falta de energia na provincia de Sichuan.

Uma onda de calor e a seca que estão a afectar a China, causaram faltas de energia na província de Sichuan, que depende em larga escala da energia gerada através de hidroeléctricas. Em resultado, o governo ordenou a suspensão da produção em várias fábricas desta província durante seis dias, o que pode vir a causar atrasos na produção de vários bens de algumas marcas conhecidas.

A suspensão foi decretada para aliviar a pressão na rede eléctrica da província de Sichuan, que tem 84 milhões de habitantes e é uma das zonas com mais concentração de fábricas na China.

A China está sob uma das maiores ondas de calor nos últimos 60 anos, com a temperatura a chegar aos 40 graus em muitas cidades. Os aparelhos de ar condicionado tornaram-se muito populares na China. Um sinal desta popularidade é consumo de energia para refrigeração, que aumentou 68 vezes desde 1990.

Um dos fabricantes mais afectados é a Intel, que tem duas fábricas em Chengdu, Sichuan. As instalações da Intel consumiram 240 GWh no ano passado, o que demonstra a enorme quantidade de energia que as instalações de produção de semicondutores gastam. Ainda não é claro o impacto que esta suspensão vai ter na disponibilidade e preços dos produtos da Intel.

A suspensão da produção também afecta outras empresas, como a Toyota, Volkswagen, Texas Instruments, Foxconn, e a fabricante de baterias para automóveis eléctricos CATL. Segundo a Bloomberg, a VW espera alguns atrasos nas entregas de novas viaturas. Já a Foxcon diz que o impacto da paragem é limitado.

PCGuia
Recomendadas

Nextbitt quer ganhar terreno no exterior enquanto investe no desenvolvimento tecnológico aliado à sustentabilidade

Numa conversa com jornalistas durante a manhã desta quarta-feira, Miguel Salgueiro, partner da NextBITT, deu a conhecer a estratégia delineada pelo grupo para a evolução da sua oferta e da sua plataforma visando os desafios ambientais com os quais o sector se depara.

Mercado das Tecnologias da Informação vai ultrapassar os 5 mil milhões em Portugal este ano, estima IDC

Os especialistas da consultora anteveem ainda que a transformação digital vá representar metade de todo o investimento nacional em TIC o até o final de 2025.

5G pode impactar PIB português em 18 mil milhões de euros até 2030, estima Ericsson

Apesar do enorme potencial, Andrés Vicente, CEO da Ericsson Iberia, aponta severos atrasos na implementação desta tecnologia em Portugal e na Europa. “Ao contrário de outras economias europeias, Portugal não colocou o 5G como vetor independente do PRR”, alerta este responsável em entrevista ao JE.
Comentários