Onde investir em 2020? Bankinter estima valoziração de 16% do S&P 500 e EuroStoxx 50

Os ativos de risco reduzido oferecem rentabilidades muito baixas e inclusive negativas e a procura por maior rentabilidade obrigará a assumir maiores níveis de risco, pelo que as bolsas deverão beneficiar deste contexto, salientou o banco espanhol, que antecipa uma valorização de 16% do S&P 500 e do EuroStoxx 50 em 2020.

Andrew Harrer/Bloomberg

A política monetária expansionista, com taxas de juro negativas ou muito baixas, continua vai continuar em 2020. A situação retira incentivos para se investir em ativos do mercado monetário, por exemplo, em obrigações soberanas da Alemanha, razão pela qual o Bankinter tem os olhos postos nos mercados bolsistas norte-americano e europeu e, especificamente, no S&P 500 e no EuroStoxx 50.

“Os níveis de liquidez continuarão a ser muito elevados”, explicou o Bankinter numa nota de research intitulada “Estratégia de Investimento no primeiro trimestr 2020”, publicada esta segunda-feira, 30 de dezembro. “Por outro lado, os ativos de risco reduzido oferecem rentabilidades muito baixas e inclusive negativas. A procura por maior rentabilidade obrigará a assumir maiores níveis de risco, pelo que as bolsas deverão beneficiar deste contexto”, salientou o banco espanhol, que aumentou em cinco pontos percentuais a exposição dos portfólios de investimento “defensivo” e “conservador” às bolsas, para 15% e 20%, respetivamente.

“O objetivo é tentar evitar as rentabilidades negativas que oferecem os ativos do mercado monetário e do mercado obrigacionista a curto-prazo”, explicou o Bankinter.

Em relação ao S&P 500, o Bankinter mantém a recomendação de “comprar”, sendo que o Bankinter estima que o price target será 3.672 pontos, o que implica um potencial de valorização de 16% e um price-to-earnings ratio de 20,9x. Além disso, o banco espanhol antecipa que a rentabilidade por dividendo seja de 1,9%.

Na Europa, o Bankinter elevou a recomendação para “comprar” em relação ao EuroStoxx 50, com um price target de 4.338 pontos em dezembro de 2020, o que supõe uma valorização de 16%. O price-to-earnings ratio antecipado pelo banco espanhol é de 17,5x.

Por setores, o Bankinter considera que os mais beneficiados com a redução da intensidade dos riscos do Brexit e da guerra comercial são o tecnológico, o elétrico e infraestruturas. O “setor tecnológico apresenta uma forte capacidade de crescimento num contexto de globalização e de rápidas cisões tecnológicas”, enquanto o “setor elétrico e de infraestruturas deverão ser beneficiados tanto pelo contexto de juros baixos, como pelos possíveis planos de investimento público”, explicou o Bankinter. “O Fundo Monetário Internacional e a Organização para a Cooperação e Desenvolviomento Económico (OCDE) recomendam investir em infraetruturas, educação e inovação para reduzir desiquilíbrios e a alteração climática”, adiantou o banco espanhol.

 

Recomendadas

Euribor caem a três e seis meses e sobem a 12 meses

As taxas Euribor desceram hoje a três e seis meses e subiram a 12 meses para novos máximos desde o início de 2009.

Bolsa de Lisboa segue em alta com energia a dar gás

As principais bolsas europeias abriram hoje em alta refletindo o ligeiro recuo na taxa de inflação preliminar da zona euro e uma possível desaceleração no aumento das taxas de juro nos EUA sinalizada pelo presidente da Fed. Mas, ao longo da manhã, a tendência deixou de ser tão definida, com Paris e Londres a entrarem em terreno negativo.

Reserva Federal volta a ‘dar a mão’ a Wall Street

Tal como sucedeu na semana passada, a Fed teve de insistir na diminuição do ritmo da subida das taxas de juro para alavancar um dia que acabou por ser positivo. O mercado está a precisar da atenção do banco central.
Comentários