ONU alerta para perigosidade e aumento de mortes nas missões em África

O subsecretário-geral para Operações de Paz da ONU, Jean-Pierre Lacroix, alertou hoje para a perigosidade de missões de paz em África e lamentou que o número de mortes por atos maliciosos tenha duplicado nos últimos anos.

Num ‘briefing’ perante o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), Lacroix indicou que ataques contra forças de manutenção da paz utilizando artilharia explosiva e dispositivos explosivos improvisados persistem em 2022 e estão em níveis tão altos quanto os registados no ano passado.

“Apesar dos enormes esforços, a diminuição anual do número das nossas forças de paz perdidas foi revertida. Em 2021, o número de mortes por atos maliciosos duplicou em relação a 2020, de 13 para 25. Infelizmente, essa tendência continua, com 21 mortes por atos maliciosos até 26 de agosto de 2022”, detalhou o subsecretário-geral.

De acordo com o diplomata francês, a Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização do Mali (Minusma) “continua a ser a missão de paz mais perigosa”, mas a Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização da República Centro-Africana (Minusca) e a Missão das Nações Unidas na República Democrática do Congo (Monusco) enfrentam uma ameaça crescente e sustentada.

Face às ameaças crescentes, foi feita uma revisão estratégica independente das respostas das operações da ONU e as recomendações estão a ser implementadas, segundo Lacroix.

“Até agora, fizemos um progresso significativo melhorando as capacidades para combater explosivos improvisados em missões onde essa ameaça está a evoluir. E continuaremos a levar adiante as recomendações da revisão, mas é necessário o apoio dos Estados-membros para atender plenamente essas recomendações”, disse, apelando à oferta de meios de especialização em defesa de base e exercício em áreas de alta ameaça.

Em relação à exploração e abuso sexual por parte de membros das missões de paz da ONU, o Fundo Fiduciário para apoio às vítimas estabeleceu um projeto no Sudão do Sul para oferecer apoio psicossocial, médico e jurídico.

Nesse sentido, o Secretariado da ONU irá envolver-se com os Estados-membros para discutir compromissos concretos para resolver casos de reconhecimento de paternidade e pensão alimentícia para vítimas.

“Estamos a avançar no desenvolvimento de um mecanismo confidencial para permitir aos Estados-membros um acesso mais fácil a informações sobre alegações contra os seus respetivos funcionários”, afirmou o subsecretário-geral.

Apesar de todos os problemas e desafios, o diplomata destacou que as forças de paz da ONU permanecem na linha de frente dos conflitos, esforçando-se para impedir a propagação e escalada do “flagelo da guerra” através das fronteiras.

“Eles protegem civis, apoiam cessar-fogo, promovem os direitos humanos e unem comunidades e países. Eles enfrentam riscos sem precedentes, incluindo alvos de extremistas violentos. Desafios dessa magnitude só podem ser superados trabalhando coletivamente para encontrar soluções políticas para os conflitos”, advogou perante as missões diplomáticas junto à ONU.

Recomendadas

Itália. Encontrar ministros ‘aceitáveis’ pelo Presidente será desafio para Meloni

Vencedor das eleições de domingo à frente de uma coligação de direita e extrema-direita que poderá ter a maioria dos lugares parlamentares, o partido Irmãos de Itália “cresceu, mas a classe dominante permaneceu a mesma do que quando pesava 1%” dos votos, disse à Lusa Francesco Costa, diretor do site de notícias Il Post e especialista em política internacional.

Ex-governante dos EUA Mike Pompeo diz que acabou era da “cooperação cega” com China

“Se queremos um século XXI livre, não o século chinês, aquele com que [o Presidente da China] Xi Jinping sonha, o velho paradigma da cooperação cega deve acabar”, afirmou, num fórum económico em Kaohsiung.

União Europeia e NATO concordam emitir nova declaração conjunta

Num encontro mantido ontem, Ursula von der Leyen e Jens Stoltenberg falaram sobre a agressão russa contra a Ucrânia e sobre o aumento do apoio a este país, para além da cooperação entre Bruxelas e a aliança atlântica, de acordo com o que partilharam nas suas redes sociais.
Comentários