ONU: Conselho de Segurança debate Ucrânia durante Assembleia Geral

O Conselho de Segurança da ONU terá em setembro uma reunião ministerial sobre a guerra na Ucrânia durante a Assembleia-Geral das Nações Unidas, sendo esperada a presença dos ministros ucraniano e russo – convidado por ‘defeito’.

O embaixador Nicolas de Rivière, representante permanente da França junto das Nações Unidas e presidente do Conselho de Segurança durante o mês de setembro, informou esta quinta-feira sobre o programa de trabalho que delineou para a sua presidência.

Da agenda consta uma reunião de nível ministerial sobre a guerra da Rússia na Ucrânia para o próximo dia 22, quando líderes de governo de todo mundo estiverem reunidos em Nova Iorque – cidade sede da ONU – para participar na Assembleia-Geral da organização.

De acordo com o diplomata, como se trata de uma reunião ministerial, os ministros das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, e da Ucrânia, Dmitry Kuleba, serão convidados para o evento.

“O ministro russo será convidado por padrão. Como a reunião é sobre a Ucrânia, o ministro ucraniano também será convidado”, disse Rivière.

Apesar de não estar certa a presença desses dois membros de Governo, Rivière confirmou que a ministra da Europa e dos Negócios Estrangeiros de França, Catherine Colonna, presidirá esse evento ministerial sobre a crise na Ucrânia, que terá como foco a “impunidade e justiça”, mas que “deverá tocar em outros parâmetros da guerra”, segundo o diplomara.

Recomendadas

Eleições do Brasil: Lula recupera e segue na frente com 70% dos votos contados

A segunda volta parece cada vez mais forte numa altura em que os dois candidatos estão taco a taco nos 45%, mas com Lula da Silva, do PT, a tomar a dianteira.

Eleições do Brasil: Bolsonaro mantém-se na liderança com 50% dos votos contados

A segunda volta é cada vez mais certeira, quando a contagem dos votos prossegue e a distância entre os dois principais candidatos à Presidência do Brasil diminui.

Eleições do Brasil: Primeiros números oficiais dão liderança a Bolsonaro sem maioria absoluta

Às 21h30, pouco mais de 1% dos votos válidos estavam contados. Em Lisboa, as urnas fecharam pelas 20:00, após o encerramento ser prolongado devido à forte afluência.
Comentários