ONU diz que até 40% das terras do mundo estão degradadas

A maior parte dos danos causados ​​pelas pessoas vem da produção de alimentos, revelou o relatório divulgado pela ONU.

Cerca de 40% das terras a nível  mundial encontram-se em estado de degradação. Essa é a principal conclusão do relatório “Global Land Outlook 2” da Organização das Nações Unidas (ONU), e citados pelo “The Guardian”, esta quarta-feira.

Muitas pessoas entendem as terras degradadas como desertos áridos, florestas tropicais mutiladas por madeireiros ou áreas cobertas de expansão urbana, mas também incluem áreas aparentemente “verdes” que são intensamente cultivadas ou desprovidas de vegetação natural.

A degradação também contribui para a perda de espécies vegetais e animais e pode exacerbar a crise climática ao reduzir a capacidade da Terra de absorver e armazenar carbono.

A maior parte dos danos causados ​​pelas pessoas vem da produção de alimentos, mas também do consumo de outros bens, como roupas, aponta o relatório da ONU.

Grande parte da degradação é mais visível nos países em desenvolvimento, mas a causa do consumo excessivo acontece no mundo rico, por exemplo, no que toca à carne, que gasta muito mais recursos do que o cultivo de vegetais.

O relatório apontou ainda que cerca de metade da produção económica anual do mundo, está a ser colocada em risco pela degradação da terra.

Sobre os resultados obtidos pela ONU, Ibrahim Thiaw, secretário executivo da convenção da ONU para combater a desertificação, explicou que “a degradação da terra está a afetar os alimentos, água, carbono e biodiversidade”, referindo ainda que o problema “está a reduzir o PIB, a afetar a saúde das pessoas, reduzindo o acesso à água potável e agravando a seca”, acrescentou.

Thiaw pediu ainda aos governos e ao setor privado que invistam no ambiente na próxima década para restaurar à saúde cerca de mil milhões de hectares de terras degradadas – uma área do tamanho dos EUA ou da China.

 

 

Recomendadas

Sismos. São Jorge sem eventos sentidos desde quinta-feira

O Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores (CIVISA) não regista sismos sentidos pela população na ilha de São Jorge desde quinta-feira.

Ministério do Ambiente anuncia mais de três mil fiscalizações em 2021

As entidades que integram o Plano Nacional de Fiscalização e Inspeção Ambiental (PNFIA) realizaram 3.086 ações de fiscalização/inspeção a operadores e empresas em 2021, tendo sido levantados um total 541 autos de notícia, o que corresponde a 17,53% das situações verificadas.

PAN propõe plástico zero nos supermercados até 2026

A legislação atual determina que, a partir do dia 1 de junho de 2023, todos os estabelecimentos comerciais que vendem pão, fruta e legumes vão ficar impedidos de vender sacos de plástico ultraleves.
Comentários