ONU diz que até 40% das terras do mundo estão degradadas

A maior parte dos danos causados ​​pelas pessoas vem da produção de alimentos, revelou o relatório divulgado pela ONU.

Cerca de 40% das terras a nível  mundial encontram-se em estado de degradação. Essa é a principal conclusão do relatório “Global Land Outlook 2” da Organização das Nações Unidas (ONU), e citados pelo “The Guardian”, esta quarta-feira.

Muitas pessoas entendem as terras degradadas como desertos áridos, florestas tropicais mutiladas por madeireiros ou áreas cobertas de expansão urbana, mas também incluem áreas aparentemente “verdes” que são intensamente cultivadas ou desprovidas de vegetação natural.

A degradação também contribui para a perda de espécies vegetais e animais e pode exacerbar a crise climática ao reduzir a capacidade da Terra de absorver e armazenar carbono.

A maior parte dos danos causados ​​pelas pessoas vem da produção de alimentos, mas também do consumo de outros bens, como roupas, aponta o relatório da ONU.

Grande parte da degradação é mais visível nos países em desenvolvimento, mas a causa do consumo excessivo acontece no mundo rico, por exemplo, no que toca à carne, que gasta muito mais recursos do que o cultivo de vegetais.

O relatório apontou ainda que cerca de metade da produção económica anual do mundo, está a ser colocada em risco pela degradação da terra.

Sobre os resultados obtidos pela ONU, Ibrahim Thiaw, secretário executivo da convenção da ONU para combater a desertificação, explicou que “a degradação da terra está a afetar os alimentos, água, carbono e biodiversidade”, referindo ainda que o problema “está a reduzir o PIB, a afetar a saúde das pessoas, reduzindo o acesso à água potável e agravando a seca”, acrescentou.

Thiaw pediu ainda aos governos e ao setor privado que invistam no ambiente na próxima década para restaurar à saúde cerca de mil milhões de hectares de terras degradadas – uma área do tamanho dos EUA ou da China.

 

 

Recomendadas

Associação Zero: Legislação de proteção dos solos está “na gaveta” há sete anos

De acordo com a nota de imprensa, um estudo da Agência Portuguesa do Ambiente, de 2017, concluiu que o país “ganharia cerca de 25 milhões de euros em seis anos, em resultado da publicação do ProSolos, aos quais se acrescentariam ganhos ambientais e na saúde pública”.

Guia para gestão de Áreas Marinhas Protegidas quer ser “ferramenta útil”, afirma investigador

O “Guia de Boas Práticas para a Gestão e Monitorização de Áreas Marinhas Protegidas”, apresentado hoje, pretende ser “uma ferramenta útil” e simples para as pessoas que trabalham na área, disse um dos autores do documento à agência Lusa.

PremiumCOP27: economia fica sempre à frente dos interesses do planeta

A guerra, a inflação, os preços das energias tornaram a opção pela produção sustentável um luxo a que as economias não se podem dar. A guerra das Nações Unidas terá de ficar para mais tarde.
Comentários