ONU preocupada com manobras militares chinesas

O secretário-geral da ONU diz estar a “acompanhar de perto e com preocupação” as manobras militares chinesas em redor de Taiwan e a alegada queda de cinco mísseis balísticos na zona económica exclusiva (ZEE) do Japão.

Jason Szenes/EPA via Lusa

Na sua conferência de imprensa diária, o porta-voz do secretário-geral da ONU, Stéphane Dujarric, confirmou as preocupações de Guterres perante os recentes acontecimentos, depois de as Nações Unidas terem evitado pronunciar-se sobre as tensões entre Pequim e Washington na sequência da visita à ilha de Taiwan da presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi.

Ao ser questionado sobre este tema, Guterres limitou-se a referir que a posição da organização se rege pelas resoluções da Assembleia-geral que fixam o princípio de “uma só China”.

A China, que reivindica a soberania da ilha, considera Taiwan uma província rebelde desde que os nacionalistas do Kuomintang se refugiaram na região em 1949, após terem sido derrotados na guerra civil contra os comunistas.

As manobras militares desencadeadas pela China em resposta à visita de Pelosi, que hoje arrancaram e que irão prolongar-se até domingo, suscitaram protestos por parte do Japão, que hoje denunciou a queda de cinco mísseis balísticos chineses em águas da sua ZEE.

O governo nipónico apresentou um protesto diplomático junto do executivo chinês na sequência destes alegados disparos, efetuados no âmbito dos exercícios do exército chinês no Estreito de Taiwan e que provocaram o encerramento do espaço aéreo e marítimo em seis zonas em redor da ilha, considerada por Pequim como parte integrante do seu território.

Entretanto, os desentendimentos entre a China e a comunidade internacional estão a subir de tom, com o governo de Pequim a mostrar pouca consideração pelos apelos, que, diz, invariavelmente seguem no sentido de não identificar a visita de Pelosi como o elemento que provocou toda a tensão que se vive no estreito que separa os dois territórios.

Se cumprirem o que está previsto, as forças armadas chinesas estarão em exercícios com fogo real até ao próximo domingo.

Relacionadas

União Europeia condena manobras militares “agressivas” de Pequim perto de Taiwan

Josep Borrell sustentou que não há “nenhuma justificação” para as ações e que Pequim está a utilizar a visita a Taiwan da congressista americana Nancy Pelosi “como pretexto”.

Taiwan: Taipé denuncia nova incursão de aviões militares chineses

O exército chinês anunciou exercícios militares reais em seis zonas marítimas perto de Taiwan a partir de hoje, até domingo, em resposta à controversa visita da líder da Câmara dos Representantes do Congresso dos Estados Unidos.
Recomendadas

Pentágono afirma que 80 mil soldados russos foram mortos ou feridos na Ucrânia

Cerca de 80.000 soldados russos foram mortos ou feridos desde o início da invasão da Ucrânia, disse hoje o número três do Pentágono, Colin Kahl, salientando que os alvos anunciados pelo Presidente russo, Vladimir Putin, ainda não foram atingidos.

Lapid diz que Israel “cumpriu todos os objetivos” no ataque à Faixa de Gaza

O primeiro-ministro israelita Yair Lapid afirmou hoje que a Operação Amanhecer contra a Jihad Islâmica em Gaza “cumpriu todos os seus objetivos” e que a totalidade do alto comando militar do grupo “foi atacado com êxito em três dias”.

Brasil/Eleições. Juíza pede à PGR investigação contra Bolsonaro por ataque às urnas eletrónicas

A juíza Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF) do Brasil, enviou esta segunda-feira à Procuradoria-Geral da União (PGR) um pedido de investigação contra o Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, por ter feito ataques ao sistema eleitoral num encontro com embaixadores.
Comentários