ONU valida temperatura recorde de 38º em junho de 2020 no Ártico

Verkhoyansk situa-se cerca de 115 quilómetros a norte do Círculo Ártico e as temperaturas têm sido aí medidas desde 1885.

A Organização Meteorológica Mundial (OMM) validou hoje a temperatura recorde de 38° Celsius no Ártico, registada na cidade russa de Verkhoyansk em 20 de junho de 2020, um novo “sinal de aviso sobre as alterações climáticas”.

“Este novo registo ártico é uma das observações reportadas ao arquivo de climas extremos da OMM, uma agência da ONU, que está a soar o alarme sobre as mudanças sofridas pelo nosso clima”, salientou o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas, observando que no mesmo ano a Antártida também registou um recorde de 18,3°C.

Verkhoyansk situa-se cerca de 115 quilómetros a norte do Círculo Ártico e as temperaturas têm sido aí medidas desde 1885.

Esta região da Sibéria Oriental tem um clima continental muito seco, resultando em invernos muito frios e verões muito quentes.

“Este inquérito destaca o aumento das temperaturas numa região que é importante para o resto do mundo em termos de clima”, pelo que é importante monitorizá-la continuamente, disse o relator da OMM sobre clima e extremos climáticos, Randall Cerveny.

Os investigadores da OMM estão a tentar “verificar uma temperatura de 54,4°C registada em 2020 e 2021 no local mais quente da Terra, o Vale da Morte na Califórnia, e também validar um novo recorde europeu de calor de 48,8°C estabelecido na Sicília este Verão”, disse Taalas.

O grupo de peritos responsáveis pela certificação destes registos examina a validade dos instrumentos utilizados para medição e a coerência com a meteorologia atual.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

SICAD alerta para o risco da pobreza fazer renascer consumos dos anos 80 e 90

O diretor-geral do serviço de intervenção nas dependências alertou hoje para o risco da pobreza fazer renascer os consumos “catastróficos” dos anos 80 e 90, caso não seja reforçada a resposta que está muito carenciada de meios humanos.

Família unida, coesão do Reino Unido e Commonwealth: os desafios do rei Carlos III em análise

“Isabel II: Rainha e Mulher” é o novo livro de Alberto Miranda, jornalista e especialista em famílias reais. Nesta entrevista ao JE, este especialista aponta aqueles que serão os três maiores desafios do seu sucessor no trono britânico, o rei Carlos III.
Comentários