ONU vota por esmagadora maioria para condenar embargo dos EUA a Cuba

A Assembleia-Geral da ONU condenou hoje, por esmagadora maioria, o embargo económico dos Estados Unidos a Cuba pelo 30.º ano, com 185 dos 193 Estados-membros a posicionarem-se contra o isolamento da nação caribenha.

A votação da resolução da Assembleia-Geral apelando ao fim do embargo cubano teve apoio de 185 países, oposição dos Estados Unidos e de Israel, e abstenção do Brasil e da Ucrânia.

O Governo de Joe Biden deu assim seguimento à linha do ex-presidente Donald Trump, recusando-se a retornar à abstenção adotada pela administração de Barack Obama, em 2016.

Antes da votação, o ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, disse que, desde 2019, o Governo norte-americano “escalou o cerco em torno” do seu país, “levando-o a uma dimensão ainda mais cruel e humana, com o objetivo de infligir deliberadamente o maior dano possível às famílias cubanas”.

Durante os primeiros 14 meses do Governo Biden, os danos à economia cubana foram estimados em 6,35 mil milhões de dólares (6,5 mil milhões de euros), o equivalente a mais de 15 milhões de dólares (15,3 milhões de euros) por dia, disse Rodriguez.

A votação hoje registada – de 185 votos a favor e dois contra – foi semelhante à de anos anteriores.

A votação da Assembleia-Geral em novembro de 2019 registou 187 votos contra três, com os Estados Unidos, Israel e Brasil a votar “não” e Colômbia e Ucrânia a absterem-se.

Já em junho de 2021, a votação – adiada em 2020 devido à pandemia – ficou em 184 contra dois, com os Estados Unidos e Israel a posicionarem-se pelo “não” e o Brasil, Colômbia e Ucrânia pela abstenção.

As resoluções da Assembleia-Geral não são juridicamente vinculativas, mas refletem a opinião mundial e a votação deu a Cuba um palco internacional para colocar em evidência o isolamento norte-americano face aos seus esforços de décadas para isolar a nação insular caribenha.

O embargo foi imposto em 1960 após a revolução liderada por Fidel Castro e a nacionalização de propriedades pertencentes a cidadãos e empresas norte-americanas. Dois anos depois foi reforçada.

Em junho de 2016, o então Presidente cubano Raúl Castro e o presidente Barack Obama restabeleceram oficialmente as relações e, naquele ano, os Estados Unidos abstiveram-se na resolução que pedia o fim do embargo pela primeira vez.

Mas o sucessor de Obama, Donald Trump, criticou duramente o histórico de direitos humanos de Cuba e, em 2017, os Estados Unidos votaram novamente contra a resolução.

Após a votação de hoje, a delegação da União Europeia junto da ONU destacou a unidade dos seus Estados-membros “pedindo o levantamento do embargo contra Cuba”.

“A mudança positiva em Cuba é mais bem conseguida por um envolvimento mais próximo em todos os níveis. Cooperação internacional, diálogo e envolvimento crítico são o caminho a seguir”, escreveu a delegação europeia na rede social Twitter.

Recomendadas

Desflorestação na Amazónia cai pela primeira vez no Governo de Bolsonaro

A Amazónia brasileira perdeu 11.568 km2 de cobertura vegetal entre agosto de 2021 e julho de 2022, menos 11,3% que a devastada no ano anterior. É a primeira redução do desmatamento desde que Jair Bolsonaro chegou ao poder.

Israel: Netanyahu garante que vai manter a controlo sobre a extrema-direita

Primeiro-ministro designado insiste que os radicais com que formará governo não vão tomar o poder nas suas mãos. “Israel não será governado pelo Talmud”. A incógnita é o que acontecerá com o seu julgamento por corrupção.

Parlamento alemão define como genocídio a “grande fome” na Ucrânia

O parlamento alemão aprovou uma resolução que define de genocídio o ‘Holodomor´’, a “grande fome” que atingiu a Ucrânia em 1932-1933 e que terá vitimado mais de três milhões de ucranianos.
Comentários