Opensoft está a recrutar e quer fechar o ano “acima dos 80” colaboradores

A tecnológica mudou de instalações para a zona das Amoreiras em Lisboa e está a admitir engenheiros de software e analistas funcionais, revelou José Vilarinho, CEO da Opensoft, ao Jornal Económico.

A empresa portuguesa especializada no desenvolvimento de soluções tecnológicas que reforçar a equipa com novas contratações para responder ao crescimento do negócio.

“Neste momento somos 75, estando previsto continuar a crescer, uma vez que mantemos em aberto vários processos de recrutamento. No final do ano prevemos estar acima dos 80”, revelou José Vilarinho, CEO da Opensoft, ao Jornal Económico.

As contratações previstas, segundo adianta, são de engenheiros de software e analistas funcionais.

Para fazer face ao crescimento de efetivos, na casa dos 10%, a Opensoft mudou-se recentemente para um novo escritório com 400 m2,  no formato ‘open space’, zonas de lazer, gabinetes e salas de reunião e formação, na zona das Amoreiras, em Lisboa.

A formação e qualificação da atual equipa também fazem parte dos planos da tecnológica, que, este ano, investiu, já, cerca de 700 horas de formação, conforme dados, recentemente, avançados pelo CEO, José Vilarinho.

A Opensoft tem vindo a apostar no crescimento orgânico por via da internacionalização, com destaque para a aposta nos PALOP – Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa. A nível da produção, José Vilarinho destaca a aposta na melhoria dos processos e a obtenção no início deste ano da “certificação CMMI, que credibiliza a nossa oferta nos mercados externos”.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

EDP: “A Europa teve sorte este inverno, não vai haver problemas de abastecimento”

“Europa já está livre da dependência do gás da Rússia”, disse hoje Joana Freitas da EDP Produção.

Durão Barroso diz que “desglobalização” afetará empresas portuguesas

“À incerteza em torno do desenlace da guerra na Ucrânia soma-se o processo de desglobalização, fragmentação e polarização  do mundo que significará obstáculos crescentes ao comércio e a formação de dois blocos comerciais”, disse Durão Barroso no almoço promovido pela Crédito y Caución, referindo-se aos EUA e a UE, por um lado, e à China e à Rússia, por outro.
Comentários