OPEP aponta para menos produção de petróleo. Irão e Estados Unidos estão contra

Face a uma queda dos preços do petróleo, superior a 30% nos dois últimos meses, os ministros que já estão na capital austríaca, na véspera de uma reunião da OPEP, afirmaram que querem chegar a um acordo de redução da produção.

Os representantes da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), chegados a Viena na quarta-feira, fizeram a mesma previsão sobre a descida da produção, apesar dos apelos explícitos contrários do presidente dos EUA, Donald Trump.

Face a uma queda dos preços do petróleo, superior a 30% nos dois últimos meses, os ministros que já estão na capital austríaca, na véspera de uma reunião da OPEP, afirmaram que querem chegar a um acordo de redução da produção. Mas o grupo vai ter de convencer cada um dos seus membros a obedecer à decisão, quando o Irão, o terceiro maior produtor da OPEP, já pediu uma dispensa.

“Nós devemos ser excluídos de qualquer decisão de descida da produção, enquanto as ilegais sanções norte-americanas não forem levantadas”, disse Bijan Namdar Zanganeh, ministro do Petróleo iraniano, ao chegar a Viena na quarta-feira à noite.

O seu homólogo nigeriano, Emmanuel Ibe Kachikwu, declarou-se favorável a uma descida da produção.

Tal decisão iria contra o desejo de Donald Trump, que exortou a OPEP a continuar a produzir nos atuais níveis elevados para manter os preços baixos.

Os ministros de dois grandes produtores — Arábia Saudita e Federação Russa — demonstraram, por seu lado, alguma discrição, enquanto as modalidades do acordo não estão fechadas, designadamente as relativas às reduções de produção de cada país.

As tensões entre a Arábia Saudita e o Irão são fortes. A imprensa financeira informou que o ministro da energia saudita, Khaled al-Faleh, reuniu com um representante dos EUA encarregado das relações com o Irão, no seu hotel, em Viena, na quarta-feira.

“Se os EUA quiserem aderir à OPEP, vamos considerar a questão”, ironizou o ministro iraniano, antes de afirmar que se os EUA “quiserem fazer pressão sobre o Irão através da OPEP, não é profissional”.

Já o Qatar, por seu lado, abandonou a OPEP no início da semana e o seu ministro Saad Al-Kaabi chegou a Viena para participar no que deve ser a sua última reunião. Se justificou a sua decisão de sair da OPEP com a vontade de se centrar no gás, o Qatar reconheceu, por outro lado, que se reuniu com alguns ministros que fazem parte da organização, mas não com o saudita. “Eles [sauditas] estão a fazer um bloqueio ao meu país. Não penso que tenham vontade de falar connosco”, ironizou.

Os dirigentes de Riade e os seus aliados estão a impor ao Qatar um embargo, desde a rutura das suas relações diplomáticas em 2017.

Recomendadas

Trabalhadores do MNE português no Brasil vão ter atualização salarial de 48,9%

Os trabalhadores nos postos consulares e missões diplomáticas no Brasil vão ter as suas remunerações atualizadas em 48,9%, a mesma percentagem da depreciação monetária acumulada do real, segundo legislação publicada em Diário da República.

Turismo de Lisboa espera recuperação na quadra natalícia para níveis próximos de 2019

O turismo da região de Lisboa deverá recuperar na quadra natalícia deste ano, em comparação com 2021, aproximando-se dos números registados antes da pandemia de covid-19, segundo o diretor-geral do Turismo de Lisboa, Vítor Costa.

Patrões portugueses gastam menos com cada trabalhador do que a média europeia

É no Luxemburgo que os patrões pagam mais aos seus trabalhadores por hora trabalhada e na Bulgária onde pagam menos. Portugal está vários lugares acima deste último Estado-membro, mas bem abaixo da média comunitária, revela o Eurostat.
Comentários