OPEP+ corta produção de petróleo em 100 mil barris diários apesar da oposição da Rússia (com áudio)

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e os seus aliados (OPEP+) decidiram hoje reduzir a produção em 100.000 barris diários, a partir de outubro.

Sergei Karpukhin/Reuters

Os Organização dos Países Exportadores de Petróleo e os seus aliados (OPEP+) acordaram hoje um pequeno corte de meta de produção de petróleo visando elevar os preços que caíram devido aos receios de uma desaceleração económica, avança a “Reuters”.

Em outubro, os produtores de petróleo reduzirão a produção em 100.000 barris por dia (bpd), equivalente a apenas 0,1% da procura global. Isto é, concordaram em “regressar às quotas de agosto”.

A OPEP+ teme que uma desaceleração da economia, a nível mundial, possa reduzir a procura.

O grupo também concordou em se reunir a qualquer momento para ajustar a produção antes da próxima reunião agendada para 5 de outubro.

Uma notícia deste fim de semana do “Wall Street Journal” dizia que a Rússia se opunha a este cenário, e antevia que o cartel iria decidir hoje, em Viena, a manutenção das quotas de produção, o que acabou por não se confirmar.

Os futuros do Brent para entrega em novembro sobem 4,15% para 96,88 dólares por barril. Já o petróleo WTI, nos Estados Unidos, avançava 3,81%, para 90,18 dólares.

Recomendadas

‘Green bonds’. EDP avança com nova emissão de 500 milhões

Em menos de 24 horas, a EDP anuncia que vai aos mercados buscar mil milhões para financiar projetos de energias renováveis.

CMVM: “É notório o crescimento da divergência dos padrões de poupança das famílias portuguesas”

“A poupança de longo prazo exige disciplina e empenho além de, naturalmente, um nível de rendimento que permita poupar. Esta combinação de condições ajuda a explicar o baixo nível de poupança em Portugal e em outros países que nos são próximos”, reconhece Rui Pinto.

“A Reserva Federal tem corrido atrás do prejuízo”. Veja o “Mercados em Ação”

A Fed reuniu de emergência na segunda-feira. Esta semana no “Mercados em Ação”, o subdiretor do JE, André Cabrita-Mendes, juntamente com Marco Silva, consultor de estratégia e investimento, e Nuno Sousa Pereira, da Sixty Degrees, analisam os efeitos das próximas decisões do banco central norte-americano.
Comentários