OPEP+ está a equacionar corte de produção de até 2 milhões de barris por dia

Reunião de hoje em Viena. A OPEP+ está a equacionar um corte de produção de até 2 milhões de barris por dia.

A OPEP+ está a equacionar um corte de produção de até 2 milhões de barris por dia, o que ameaça colocar o preço do petróleo a caminho dos três dígitos.

O cartel, de acordo com informações da “Reuters”, considera um corte de produção em mais de um milhão de barris por dia (bpd) para sustentar os preços, o que seria o seu maior corte desde o início da pandemia de Covid-19. Esse número não inclui cortes voluntários adicionais por membros individuais, acrescentou uma fonte da OPEP+ citada pela Reuters.

Segundo a análise da BA&N Unit Research, “a cautela dos investidores na sessão de hoje também reflete a expectativa sobre o que será decidido hoje em Viena, pois pode ter forte impacto na evolução da inflação”.

Na primeira reunião presencial em Viena desde o início da pandemia, a OPEP+ (que inclui a Rússia) está a estudar o maior corte na produção desde 2020, com o objetivo de estabilizar os preços do petróleo, que estão de novo perto dos três dígitos. Os contratos de futuros de petróleo Brent estão a 91,48 dólares o barril.

Segundo as  perspetivas dos especialistas, depois de ter sugerido um corte de um milhão de barris por dia, o cartel está agora a sinalizar que pode ir até aos 2 milhões de barris.

Esse será o segundo corte mensal consecutivo do grupo após reduzir a produção em 100 mil barris por dia no mês passado.

Mas a base será o atual nível de produção e não as quotas dos países membros da OPEP+, que há muito não são cumpridas.

A confirmar-se este corte agressivo, aumentará a tensão entre a Arábia Saudita e os Estados Unidos, com o maior produtor do mundo a continuar a ignorar o apelo de Joe Biden para contribuir para o combate à inflação à escala global.

Em reação a esta expectativa, o petróleo já descolou dos mínimos de janeiro fixado na semana passada, com o Brent já acima dos 90 dólares.

”O Brent subiu perto de 10% nas últimas sessões e está a negociar nos 92 dólares”, refere a análise da BA&N Unit Research.

 

Recomendadas

Wall Street fecha instável em face da provável recessão

A indefinição está a marcar a economia interna dos Estados Unidos. sabe-se que haverá uma recessão, mas os seus contornos em termos de profundidade e duração não são claros. E o mercado mobiliário parece não gostar disso.

Há quem queira fugir à regulação do mercado criptoativo, alerta responsável europeia

A regulação deverá chegar no espaço de um ano, diz a comissária europeia para os serviços financeiros. Mas há ‘players’ do mercado que escolhem deliberadamente jogar contra as regras, avisa. A abordagem deve ser “global”.

Lagarde e o ‘whatever it takes’ para controlar a inflação. Ouça o podcast “Mercados em Ação”

No “Mercados em Ação”, podcast do JE, vai poder contar com a análise de especialistas em temas como ações e obrigações; investimento e poupança; BCE e FED; resultados e empresas; análises e gráficos.
Comentários