OPEP+ resiste a pressões e avança com um aumento mensal mais contido da produção de petróleo

Em maio, a OPEP+ irá aumentar a produção em cerca de 432 mil barris por dia.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e os seus aliados, entre os quais a Rússia, acordaram esta quinta-feira fazer um aumento mensal mais contido da produção de petróleo, segundo a “Reuters”.

A decisão vai contra a pressão que o grupo enfrentava da parte dos Estados Unidos e da Agência Internacional de Energia (AIE) no sentido de aumentar a produção para os preços diminuírem, depois de quase terem tocado máximos históricos com as sanções aplicadas por Washington e Bruxelas ao Kremlin.

“A Arábia Saudita vai tentar evitar cair com a Rússia ao querer produzir mais barris numa altura em que a produção russa está com dificuldades”, disse Callum Macpherson em Investem.

A Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, que detêm a maior parte da capacidade de produção disponível dentro da OPEP, têm resistido aos apelos para uma maior produção, afirmando que o grupo deve manter-se fora da política e concentrar-se no equilíbrio dos mercados petrolíferos.

A OPEP e outros produtores incluindo a Rússia anunciaram que vão aumentar a produção em cerca de 432 mil barris por dia em maio.

As ruturas no fornecimento global de petróleo aproximam-se dos cinco a seis milhões de barris, ou 5% a 6% da procura mundial, de acordo com cálculos feitos pela “Reuters”.

Recomendadas

Wall Street fecha misto depois de um dia pouco definido

A maioria das ações dos principais índices dos Estados Unidos mantiveram-se indefinidos entre o verde e o vermelho. O histórico do primeiro semestre, que fecha esta quinta-feira, será dos piores em décadas.

EDP, NOS, Galp, CTT e BCP arrastam Lisboa para perdas. Europa em queda

“O corte das estimativas de crescimento económico para 2022 de 4% para 2,5%, por parte do governo francês e a revelação de que a inflação em Espanha, a quarta maior economia da zona euro, terá atingido um novo recorde em junho foram fatores adicionais de pressão para o mercado europeu”, refere o analista do BCP.

BlackRock defende que transição da economia para “zero emissões” implicará uma redistribuição massiva de ativos nas carteiras

A BlackRock considera que os preços de mercado ainda não refletem plenamente os riscos e as oportunidades da transição, acreditando que as empresas que estão mais preparadas para a transição e mais capazes de aproveitar as suas oportunidades devem continuar a beneficiar em relação às outras ao longo do tempo.
Comentários