Operação Lex: Decisão instrutória marcada para 16 de dezembro no STJ

A decisão instrutória do processo ‘Operação Lex’ está agendada para 16 de dezembro, no Supremo Tribunal de Justiça (STJ), tendo hoje o Ministério Público (MP) pedido a ida a julgamento dos cinco arguidos que requereram abertura de instrução.

O debate instrutório ficou hoje concluído, numa sessão no STJ, tendo o MP pedido a ida a julgamento dos arguidos que requereram abertura de instrução: o ex-presidente do Sport Lisboa e Benfica (SLB), Luís Filipe Vieira, o vice-presidente do SLB, Fernando Tavares, o advogado Jorge Barroso, o funcionário judicial Otávio Correia e a sua mulher Elsa Correia.

Alguns dos arguidos que não requereram a abertura de instrução pediram contudo para falar no final da sessão de hoje, tendo Miguel Matias, advogado do ex-presidente do Tribunal Relação de Lisboa Luís Vaz das Neves, manifestado a convicção de que se fará justiça e que o seu constituinte não irá a julgamento por falta de indícios relativos aos crimes que lhe são imputados.

Recomendadas

Presidente do TdC favorável a reativar Inspeção-Geral da Administração Local

Para o presidente do TdC, José Tavares, “o processo de descentralização não está necessariamente ligado ao fenómeno da corrupção” e garantiu, em entrevista à Lusa, que o tribunal a que preside “vai acompanhar com muita atenção este fenómeno de descentralização e os seus impactos no domínio dos recursos públicos”.

Tribunal de Contas só recusa visto a 1% dos contratos em fiscalização prévia

“Recebemos para fiscalização prévia cerca de 2.000 a 4.000 contratos por ano só para fiscalização prévia, que são os contratos com valores superiores a 750 mil euros. Desse montante, apenas a uma percentagem muito reduzida é que o Tribunal de Contas recusa o visto: cerca de 1%. Aqui está a força dissuasora da função de fiscalização prévia”, explicou.

Ex-presidente da Câmara de Terras de Bouro condenado por prevaricação

O Tribunal de Braga condenou hoje a três anos de prisão, com pena suspensa, o ex-presidente da Câmara de Terras de Bouro Joaquim Cracel por ter aprovado o licenciamento de uma moradia ielgal em terreno de Reserva Agrícola Nacional (RAN).
Comentários