Operação “Punho Cerrado”: Decretada prisão preventiva para dois dos detidos

O Tribunal de Leiria decidiu hoje fixar a medida de coação de prisão preventiva para dois dos detidos no âmbito da operação ‘Punho Cerrado’, levada a efeito na terça-feira, nos distritos de Leiria, Lisboa, Coimbra e Santarém.

Os dois detidos que ficam em prisão preventiva estão indiciados pelos crimes de fraude fiscal qualificada, associação criminosa e exercício ilegal de segurança privada, disse aos jornalistas fonte do Tribunal de Leiria.

A três dos outros indiciados foi decretada a obrigatoriedade de duas apresentações por semana às autoridades policiais. Dois deles são suspeitos dos crimes de associação criminosa e exercício ilegal de segurança privada e um é indiciado de envolvimento em associação criminosa.

Aos restantes cinco detidos, igualmente já ouvidos pelo juiz de instrução, foi fixado Termo de Identidade e Residência.

Os dez detidos, no cumprimento de mandados de detenção fora de flagrante delito, foram ouvidos durante quinta-feira e hoje no Tribunal de Leiria, sob medidas especiais de segurança.

Recomendadas

Desafios tecnológicos, burocracia, renováveis e perda de água em debate

A transição energética em Portugal e na Europa esteve em debate na conferência do sexto aniversário do Jornal Económico.

Equinix cria fundo solidário de 50 milhões para promover a inclusão digital

A empresa de tecnologia norte-americana criou uma nova estrutura de apoio educativo. O conselho de administração da fundação irá, todos os anos, determinar o montante de doações da fundação, de modo a cobrir a concessão de contribuições ou a correspondência com as ofertas dos colaboradores.

Transição energética não pode ser feita sem as pessoas

Empresas do sector energético destacam a importância das pessoas nos seus projetos. A transição não pode ser feita sem o envolvimento das populações locais e sem a conversão de postos de trabalho.
Comentários