Operação “Punho Cerrado”: PSP efetua buscas em restaurantes e cafés

PSP desencadeia mais de 50 buscas nos distritos de Lisboa, Santarém, Leiria e Coimbra. Investigação centra-se em suspeitas de crimes económico-financeiros e de exercício ilegal da atividade de segurança privada.

Rafael Marchante/Reuters

A PSP desencadeou nesta terça-feira, uma megaoperação em restaurantes e bares nos distritos de Lisboa, Santarém, Leiria e Coimbra. Em causa estão suspeitas de crimes económico-financeiros e o exercício ilegal da atividade de segurança privada.

A operação, denominada “Punho Cerrado”, está a levar a cabo cerca de 50 buscas domiciliárias, executando o cumprimento de 10 mandados de detenção fora de flagrante delito, bem como a execução de cerca de 20 buscas não domiciliárias a empresas e estabelecimentos de restauração e bebidas.

A operação “Punho Cerrado” está a ser desenvolvida, desde esta manhã, pela Esquadra de Investigação Criminal da PSP de Leiria. O Jornal Económico sabe que a investigação, que decorria há cerca de dois anos, partiu de várias denúncias nomeadamente de comerciantes com algumas queixas relacionadas com esquemas de subfacturação.

A investigação acabou por centrar-se no crime de associação criminosa, em crimes económico-financeiros e no exercício ilegal da atividade de segurança privada entre outros.

Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.
Comentários