Operação stop do fisco: “Episódio lamentável permitiu-nos tirar consequências”, diz Mendonça Mendes

Sobre a Operação Stop do Fisco, em Valongo, realizada em maio, o Secretário dos Assuntos Fiscais defendeu que “não deveria ter acontecido”, mas que permitiu retirar consequências, como a alteração da forma como as ações externas da AT são desenhadas.

Cristina Bernardo

O secretário de Estados dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, voltou a garantir que a polémica operação stop do Fisco em Valongo, em maio, levou a alterações no planeamento das ações da Autoridade Tributária no terreno.

Classificando como um “episódio lamentável” e que “não deveria ter acontecido”, Mendonça Mendes disse esta quarta-feira, numa audição na Comissão do Orçamento e Finanças, no Parlamento, que “enquanto Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais aquilo que determinei não foi uma reflexão”, foi que “as açoes que têm visibilidade externa, aquelas que não acontecem na AT, mas no terreno” têm que “ser previamente articuladas com a área do contribuinte” para assegurar por “inteiro a proporcionalidade e os direitos dos contribuintes”.

“Aquilo que foi aquele episódio lamentável que houve em Valongo permitiu-nos a todos tirar consequências”, disse, frisando que pediu uma verificação de todas as outras acções semelhantes.

“E mandei alterar a forma como este tipo de ações são desenhada para ter maior garantia de proteção dos contribuintes e trabalhadores da Autoridade Tributária”, acrescentou.

Relacionadas

Fisco descobriu que, afinal, existem 1.600 contribuintes ricos em Portugal

Número de contribuintes com elevado património mais do que duplicou, anunciou António Mendonça Mendes no Parlamento. Unidade dos grandes contribuintes representa 50% da receita fiscal.

Contribuintes compensados pelo fisco após operação stop “ilegal”

A operação que decorreu em Maio deste ano na rotunda de Alfena, Porto, foi interrompida no próprio dia, depois de António Mendonça Mendes tomar conhecimento sobre o que se passava. Considerou que os meios destacados foram exagerados e decidiu que este tipo de ações externas devem passar a ser decididas com a área da relação com o contribuinte.

Fisco quer medidas para articulação com serviços centrais, mas plano de atividades já previa operações stop

O Plano de Atividades das Finanças do Porto já previa penhoras à saída da auto-estrada, conforme avançou o JE em maio. O ministério das Finanças já assegurou desconhecer as operações stop fiscais que foram realizadas pela direção do Porto. No relatório agora publicado, a AT concluiu que no futuro são necessárias medidas para uma maior coordenação entre os serviços centrais e regionais do fisco.

Inquérito a operação stop do fisco afasta processos disciplinares

A diretora geral da AT abriu um inquérito à polémica operação stop do fisco realizada a 28 de maio, em Valongo. Seis meses depois já há conclusões internas da ‘Acção sobre Rodas’ que levou à demissão do director de Finanças do Porto. Fisco volta a reconhecer que meios foram desproporcionados face aos fins de cobrança coerciva. Mas conclui que que faltas observadas não constituíram actos ilegais, pelo que não se justificam processos disciplinares.
Recomendadas

Governo francês de Macron prioriza apoio às classes médias trabalhadoras

“Vamos concentrar mais as nossas ajudas para os franceses que trabalham e que se levantam cedo”, declarou o ministro de Ação e Contas Públicas, Gabriel Attal, que insistiu que se deve “agir para favorecer o trabalho” na França.

“Orçamento da Saúde para o próximo ano poderá não ser suficiente”, alerta Correia de Campos

O antigo presidente do Conselho Económico e Social destaca o aumento de 2,7% do orçamento para a Saúde para 2023 mas adverte que o mesmo não vai ser suficiente tendo em conta que não acompanha “nem a inflação, nem a manutenção do equipamento, nem o reforço salarial necessário”

Portugal e Espanha terão de continuar a ter “exceção ibérica” no preço do gás

O primeiro-ministro disse que tem de continuar a haver uma “exceção ibérica” para os preços do gás mesmo que seja criado um novo mecanismo europeu, porque Portugal e Espanha continuam a ser “uma ilha” energética.
Comentários