Operações ESG crescem num mercado de fusões e aquisições em decréscimo, diz BCG

O relatório do Boston Consulting Group (BCG) prevê que estratégias ambientais, sociais e de governance (ESG) poderão motivar um número crescente de transações, mesmo perante condições macroeconómicas desafiantes que explicam que em 2022, as fusões e aquisições tenham caído 13% em volume e 32% em valor face a 2021.

O relatório do Boston Consulting Group (BCG) prevê que estratégias ambientais, sociais e de governance (ESG) poderão motivar um número crescente de transações, mesmo perante condições macroeconómicas desafiantes que explicam que em 2022, as fusões e aquisições tenham caído 13% em volume e 32% em valor face a 2021.

Os dados constam do relatório “The 2022 M&A Report” da consultora, realizado em colaboração com o professor Sönke Sievers, da Universidade de Paderborn. Nele é ainda referido que o mercado global de fusões e aquisições (M&A) arrefeceu face ao ritmo frenético de 2021, com as condições macroeconómicas atuais a pôr fim à onda de aquisições que se seguiu ao alívio das restrições relativas à Covid- 19.

“Nos primeiros sete meses de 2022, as empresas anunciaram mais de 22 mil transações, com um valor total de 1,85 biliões de dólares — um nível de atividade de M&A mais em linha com as médias registadas em pré-pandemia do que com a do ano anterior”, de acordo com o relatório.

“O número de transações centradas em ESG tem vindo a aumentar consistentemente há 20 anos e o total de transações relacionadas com o ambiente duplicou. Além das motivações tradicionais, a sustentabilidade encontra-se a ganhar relevância como motivo para adquirir ou desinvestir em negócios”, diz a BCG.

O relatório da consultora conclui que o número global de transações relacionadas com ESG aumentou 60%, de cerca de 5.700 em 2011 para um máximo histórico de aproximadamente 9.200 em 2021.

“O volume destes negócios enquanto parcela de toda a atividade de M&A aumentou de 12% em 2001 para 17% em 2011, e ainda mais em 2021 para 22%, o que sugere que mais investidores estão a reconhecer o potencial de criação de valor destas transações”, conclui a consultora BCG.

“A atividade de M&A em 2022 abrandou em relação a 2021, com o volume e o valor das transações a baixar 13% e 32%, respetivamente”, destaca Jens Kengelbach, responsável global de M&A da BCG e coautor do relatório.

“No entanto, mesmo numa conjuntura atual de elevada inflação, taxas de juro crescentes e abrandamento do crescimento económico, observamos uma tendência a longo prazo de que poderão potenciar a atividade de M&A”, acrescenta.

A análise da BCG revela uma clara tendência ascendente nos negócios relacionados com ESG ao longo da última década, tendo a aceleração sido mais forte em 2021, quando o volume de negócios deu um salto de 35% após dois anos mais suaves para uma atividade de M&A e transações de ESG mais amplas.

Embora as transações relacionadas com o ambiente (ou seja, transações verdes) representem apenas uma pequena fração de todas as transações de M&A, estes aumentaram nos últimos anos – subindo para 6% em 2021, depois de pairarem nos 5% entre 2011 e 2019, segundo o estudo. “O aumento de 20% de 2019 a 2021 indica que as transações verdes estão a ganhar força enquanto alavanca estratégica para a transformação ambiental”, refere o relatório.

As M&A verdes têm vindo a crescer particularmente rápido nas indústrias que estão na vanguarda da transição energética e nos mercados emergentes, revela a BCG em comunicado acrescentando que nos últimos dez anos, a indústria da energia e dos serviços públicos teve a maior quota de M&A verdes, bem como o maior aumento, subindo de 20% em 2011 para quase 40% em 2021.

A região com o maior nível de atividade de M&A verdes em 2021 foi o Médio Oriente, com mais de 10% das transações a estarem relacionados com o ambiente, após uma quota constante de cerca de 3% a 5% desde 2014. A região Ásia-Pacífico (especialmente a China) foi a segunda região mais ativa, com uma quota de transações verdes de aproximadamente 8% em 2021.

Negócios verdes estão cada vez mais caros

À medida que os acordos verdes se tornam mais populares, vão ficando também mais caros, conclui a BCG. Os preços médios de aquisição para estes negócios excederam a média global do mercado em aproximadamente 7% nos últimos três anos, com encargos de 20% a 30% em certas indústrias.

No entanto, o estudo da BCG revelou que, apesar do excedente substancial que muitas vezes exigem, as transações verdes criam geralmente mais valor quando anunciados e durante os dois anos seguintes do que os que não o são.

Ao analisar períodos de três dias antes e depois do anúncio de um negócio, a BCG chegou à conclusão de que o retorno anormal cumulativo médio das transações relacionadas com o ambiente (1%) é significativamente mais elevado do que o das transações não relacionadas com o tema (0,6%).

O relatório também determinou que o retorno médio de dois anos de um shareholder de transações verdes (0,6%) excede o das transações não-verdes (0,4%).

“Os negócios verdes muitas vezes exigem um investimento extra substancial — podendo atingir os 20% a 30% em certas indústrias —, mas a nossa investigação mostra que, em muitos casos, o preço é justificado”, afirma Daniel Friedman, sócio da BCG e coautor do relatório. “Tanto a curto como a longo prazo, a mensagem é clara: as empresas que utilizam a abordagem certa para fazer negócios verdes geram retornos mais elevados.”

Recomendadas

Conferência “Poupar e Investir para um Futuro Melhor” a decorrer em Lisboa, com o apoio do Jornal Económico

A conferência é organizada pela Optimize Investment Partners, sociedade gestora portuguesa que disponibiliza uma gama de soluções de investimento para diversos perfis de risco e objetivos. Moderada por Nuno Vinha, subdiretor do Jornal Económico, consiste numa palestra de 30 minutos de cada um dos quatro oradores, um coffee break e uma mesa redonda com espaço para perguntas e respostas e interação com a plateia.

SIBS: mais de um quinto do valor gasto na Black Friday foi em compras online

O comércio online continua a ganhar peso nas compras em Portugal. Dados da SIBS revelam que 22% do valor gasto na última Black Friday foi em compras online, um peso que bate por muito os 18% do ano passado.

União Europeia, G7 e Austrália limitam barril de petróleo russo a 60 dólares

Os 27 estados-membros da UE chegaram a acordo, esta sexta-feira, no estabelecimento de um teto máximo para o preço do petróleo russo nos 60 dólares por barril. Os sete países mais industrializados do mundo (G7) e a Austrália juntam-se na decisão.
Comentários