Operadora MásMóvil quer comprar Vodafone Espanha por 6 mil milhões de euros

A notícia está a ser avançada pelo jornal “El Confidencial” e refere que a empresa de telecomunicações espanhola conta com o apoio do banco Goldman Sachs, financiador da operação.

A operadora de telecomunicações espanhola MásMóvil terá apresentado uma proposta de compra da Vodafone Espanha por 6 mil milhões de euros, noticia esta quarta-feira o “El Confidencial”.

Segundo o mesmo jornal, a operação, que duplicaria o valor de mercado da MásMóvil, será financiada pelo banco Goldman Sachs e o plano estratégico para calcular as sinergias da possível integração foi elaborado pela consultora McKinsey.

A empresa prevê que a contribuição do EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) e a poupança de custos, estimada em até 2 mil milhões de euros, criaria valor desde o primeiro momento.

De acordo com as fontes do “El Confidencial”, a MásMóvil, a quarta maior operadora do país, lançou-se na proposta de aquisição da subsidiária espanhola da Vodafone este verão, mas a ‘telecom’ com sede em Londres contrapôs e pediu 8 mil milhões de euros, mais do que os 7,2 mil milhões pagos pela Ono em 2014.

Contactadas pelo diário espanhol, fontes oficiais da Goldman Sachs não comentaram o assunto e da MásMóvil recusam responder a “rumores de mercado”. “Eembora houvesse a intenção da MásMóvil ou dos seus acionistas de negociar a compra da Vodafone não temos interesse”, respondeu, por sua vez, o grupo britânico.

O anúncio desta possível concentração no mercado de telecomunicações espanhol surge numa altura em que a Vodafone Espanha triplica os prejuízos. A empresa perdeu 601,3 milhões de euros no último ano fiscal no último ano fiscal (iniciado a 1 de abril de 2018 e terminado a 31 de março de 2019) sobretudo devido à queda de 9% nas receitas, para 3.635 milhões de euros, causada pela decisão de não oferecer os jogos mais importantes da La Liga e da Liga dos Campeões.

Recomendadas

Inflação pode retirar competitividade às empresas portuguesas

Responsável da Fundação AIP considera que os custos nos transportes, aliados ao atual quadro político poderá levar a que esta não seja a melhor altura para o sector empresarial se expandir para os mercados mais longínquos. Investir na vertente digital é outro dos desafios.

Bancos sujeitos a coimas até 1,5 milhões se não aplicarem diploma do Governo para crédito à habitação

Está já em vigor, a partir deste sábado, o diploma que estabelece medidas destinadas a mitigar os efeitos do incremento dos indexantes de referência de contratos de crédito para aquisição ou construção de habitação própria permanente. Bancos têm 45 dias a partir de hoje para aplicar as medidas.

Ministra da Justiça diz que é preciso melhorar condições dos processos de recuperação de empresas

“A melhoria das condições de processos de recuperação [de empresas], sobretudo em períodos de insolvência e de dúvida, como o que atravessamos, é um desafio, mas um desafio que temos de concretizar”, afirmou Catarina Sarmento e Castro.
Comentários