PremiumOposição promete contestar resultados junto da CNE e do Tribunal Constitucional

UNITA deverá apresentar hoje ou amanhã dados da contagem paralela de votos e avançar com reclamação para a Comissão Nacional Eleitoral. Partido terá ganho eleições em Portugal.

Os maiores partidos da oposição em Angola continuam a rejeitar os resultados das eleições gerais de 24 de agosto, divulgados pela Comissão Nacional Eleitoral (CNE), que dão a maioria absoluta ao Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) e a reeleição de João Lourenço como Presidente da República.

A União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), que foi a segunda força política mais votada, mas que reclama mais votos e mandatos, promete apresentar, hoje ou amanhã, um relatório em que evidencia a discrepância entre os dados da CNE os seus próprios e promete contestar os resultados oficiais junto das autoridades, nomeadamente a CNE e o Tribunal Constitucional, que ainda não receberam qualquer reclamação.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumPutin une extremos na oposição ao Ocidente

As franjas mais extremas europeias convergem no apoio a Putin, unidas por um antiamericanismo reforçado, à esquerda, por uma orfandade do comunismo soviético e, à direita, pela admiração por um regime iliberal e autocrático.

PremiumPara saudar o regresso de um majestoso Jaen

Serve este texto para saudar a aposta de um produtor do Dão, a Caminhos Cruzados, integrada há cerca de dois anos no grupo da Quinta da Pacheca (no Douro), na comercialização de um monovarietal de uma das castas mais singulares que se produzem em Portugal: a Jaen (Mencia, em Espanha). Há quem diga que em relação à Jaen, ou se ama ou se detesta.

PremiumFada ou bruxa? Uma duquesa que incomoda muita gente

Sociopata narcisista”. Uma classificação nada abonatória, mas é assim que é descrita Meghan Markle por ex-funcionários do Palácio de Buckingham que trabalharam para os duques de Sussex, segundo o que é revelado no novo livro de Valentine Low, que escreve sobre assuntos reais para o “The Times”.
Comentários