Oposição venezuelana aceita retomar diálogo com governo de Nicolás Maduro

A oposição venezuelana, aliada do ex-presidente do parlamento Juan Guaidó, confirmou hoje que vai retomar o diálogo com o governo do Presidente Nicolás Maduro, suspenso desde outubro de 2021.

O anúncio foi feito através de um comunicado divulgado em Caracas pela Plataforma Unitária da Venezuela (PUV), sem precisar a data em que será retomado o diálogo.

“Será retomado o processo de negociação baseado no Memorando de Entendimento assinado, sob a mediação do Reino da Noruega, na cidade do México em 13 de Agosto de 2021, que nunca deveria ter sido suspenso e por cujo restabelecimento temos mantido uma luta constante”, explica.

No documento, a oposição diz ratificar “a disposição de trabalhar em conjunto, para alcançar acordos que permitam a materialização de mecanismos que garantam o bem-estar de todos os venezuelanos”, entendendo “que não haverá uma solução real para a crise sem um acordo político abrangente que dê soluções ao povo”.

A oposição insiste que “os venezuelanos têm sofrido as consequências da ausência de garantias de direitos humanos e de mecanismos institucionais que ofereçam soluções às necessidades” da população.

“Por esta razão, esta delegação acode ao processo de diálogo e negociação com urgência e com a vontade de encontrar, de uma vez por todas, acordos tangíveis e reais que se traduzam em soluções para a crise humanitária, respeito pelos direitos humanos, respeito pelo Estado de direito e, especialmente, a construção de condições e instituições que garantam, entre outras coisas, eleições livres e observáveis”, afirma o documento.

No comunicado, a PUV agradece o interesse e apoio “que diferentes Governos de países amigos têm demonstrado, para que seja possível reiniciar” o diálogo, sublinhando que “espera” que “esse apoio da comunidade internacional continue e se intensifique ao longo de todo o processo”.

“Manteremos a sociedade venezuelana informada sobre o que foi acordado durante os próximos ciclos de negociação. O nosso objetivo é que os resultados do processo se traduzam em ações concretas que ajudem a resolver as necessidades de todos os venezuelanos”, conclui.

Em 17 de outubro de 2021, o Governo venezuelano suspendeu as negociações com a oposição, que decorriam desde agosto de 2021 no México, com a mediação da Noruega.

A suspensão ocorreu um dia após a extradição, de Cabo Verde para os Estados Unidos, do empresário colombiano Alex Saab, considerado um ‘testa-de-ferro’ de Maduro.

O Governo venezuelano nomeou Saab como um dos representantes nas negociações e condicionou a retoma do diálogo com a oposição à sua libertação.

Em 11 de novembro de 2022 a oposição venezuelana, aliada de Juan Guaidó, e a delegação que representa o Governo do Presidente Nicolás Maduro, aceitaram um pedido do Presidente da França, Emmanuel Macron, para participar no Fórum pela Paz, que decorreu em Paris.

Segundo Jorge Rodríguez, chefe da delegação governamental, durante o encontro as delegações negociaram um acordo que será divulgado em breve.

Recomendadas

Governo italiano aprova envio de armas à Ucrânia para todo o ano de 2023

O Governo italiano aprovou um decreto prolongando o fornecimento de ajuda, incluindo armamento, à Ucrânia para todo o ano de 2023.

PremiumUcrânia à espera do inverno e dos mísseis norte-americanos Patriot

A NATO não parece disposta a enviar os mísseis para a Ucrânia, e a Rússia já avisou que, se isso acontecer, tirará as devidas ilações.

PremiumProtestos na China “não têm dimensão de revolta política”

Os protestos face à política Covid zero na China chegaram a assumir alguma violência, mas os analistas não conseguem descobrir em Guangzhou qualquer sintoma da morte iminente do regime de Xi Jinping. ANATO manteve um olhar atento ao país asiático.
Comentários