Opway vai ser liderada por Gilberto Rodrigues

Nacala Holdings, a nova dona, fala na “criação de um novo grupo global, com história e capacidade técnica que importa valorizar e potenciar”.

A Nacala Holdings, fechou a compra de 100% da construtora Opway Engenharia, (ex-GES), cerca de três meses depois de ter comprado o Grupo Elevo ao Fundo Vallis.

Segundo soube o Jornal Económico, a liderar a gestão da construtora, tal como acontece já com o Grupo Elevo, vai ficar Gilberto Rodrigues, maior acionista da empresa que adquiriu a construtora portuguesa.

Gilberto Rodrigues, acionista de referência da Nacala Holding, é português e vive na África do Sul, tendo-se tornado um especialista no mercado africano onde atua há mais de 20 anos.

Em termos de órgãos sociais não há ainda mais detalhes, mas o Negócios noticiou que se manterão os atuais administradores da Opway – Paulo Curado, Luís Filipe Duarte e Elsa Teixeira. Ainda não está definido se Gilberto Rodrigues fica como CEO, ou como chairman, segundo fontes familiarizadas com o negócio.

Em comunicado, a empresa liderada por Gilberto Rodrigues explicou que, “com esta aquisição, a Nacala Holdings, que em setembro deste ano concluiu a compra do Grupo Elevo ao Fundo Vallis, passa a reunir ao nível das infraestruturas a capacidade técnica e operacional para executar todo o tipo de obra de engenharia, em qualquer parte do globo”.

A Nacala Holdings, tal como aconteceu com o negócio anterior de compra da Elevo, foi assessorada neste processo pela FCB – Sociedade de Advogados, revela o comunicado enviado às redações, assinado por Gilberto Rodrigues.
O preço da aquisição não foi ainda divulgado.

Seis meses de profunda reestruturação

Ao Jornal Económico, que avançou com a notícia, uma fonte da empresa revelou que “a Nacala Holding, em conjunto com a actual administração da Opway, efectuou, nos últimos 6 meses, um profundo trabalho de reestruturação do balanço da empresa”.

A mesma fonte referiu que “o ano de 2017 representa um ano de viragem e de reestruturação do sector de construção português que culmina com a criação de um novo grupo global, com História e capacidade técnica que importa valorizar e potenciar”. Isto é, a Nacala Holdings, depois da compra da Elevo e da Opway, quer criar “um novo grupo global” no setor da construção.

Segundo a mesma fonte “com esta aquisição a Nacala consolida as valências técnicas necessárias para executar qualquer obra de Infraestrutura em termos globais”.

Em comunicado a Nacala Holdings diz que “assume desta forma a sua vocação global em todos os ramos da engenharia e construção e entra em 2018 com novas sinergias, competências e valências, mas também novas responsabilidades, na certeza de que o Grupo está agora mais forte e capaz de responder às exigências e desafios do mercado”.

O Grupo Opway nasceu em 2008, fruto da aquisição da SOPOL pela OPCA, e o Grupo. A construtora esteve durante vários anos nas mãos do Grupo Espírito Santo (GES) tendo acumulado um passivo de 326 milhões de euros e uma dívida financeira global de cerca de 142 milhões de euros à banca, em especial junto da Caixa Geral de Depósitos , e passou ainda por um processo de revitalização. Com esta aquisição por parte da holding de Gilberto Rodrigues, ex-CEO da Mota-Engil África, a Opway conclui o seu processo de revitalização iniciado em 2015.

O Grupo Opway tem no seu portfolio obras em Portugal, Espanha, Alemanha, Argélia, Cabo Verde, Angola, Moçambique, República do Congo e Colômbia, ao passo que o Grupo Elevo, também detido pela Nacala Holdings, está presente em 18 países, diz a nota enviada às redações.

A Elevo surgiu da fusão, iniciada em 2012, das construtoras Edifer, Monte Adriano, Hagen e Eusébios.

Artigo publicado na edição digital do Jornal Económico. Assine aqui para ter acesso aos nossos conteúdos em primeira mão.

Relacionadas

Nacala Holdings fecha compra da Opway

Esta é a segunda aquisição em Portugal da Nacala Holdings, liderada por Gilberto Rodrigues, depois da compra do grupo Elevo, que resultou da fusão da Edifer, Monte Adriano, Hagen e Eusébios.
Recomendadas

Mota-Engil e Quadrante vão reabilitar e expandir estádio na Costa do Marfim

O estádio Félix Houphouët-Boigny, em Abidjan, na Costa do Marfim vai contar com uma área de cerca de 27 mil m2 e capacidade para receber cerca de 30 mil espectadores.

Sindicatos da Construção, Cerâmica e Vidro e empresa Verallia Portugal fecham aumento de 140 euros/mês

A partir de 1 de janeiro, o salário mais baixo da tabela salarial nesta empresa de fabrico e reciclagem das embalagens de vidro passará a ser 1.260,00 euros.

Mota-Engil assina contrato de concessão em Angola no valor de 450 milhões de dólares

O contrato tem um prazo inicial previsto de 30 anos e prevê um investimento total de 450 milhões de dólares (451,8 milhões de euros), dos quais 166 milhões de dólares em infraestruturas e 70 milhões em material circulante.
Comentários