PremiumOrçamento da câmara de Caminha não prevê 300 mil euros de rendas a devolver

O presidente da câmara pediu a devolução de 300 mil euros pagos ao promotor de centro de exposições. Mas verba não está prevista no orçamento. Oposição diz que edil não tem esperanças de receber.

O presidente da câmara de Caminha assegurou ter desencadeado os procedimentos para garantir o regresso aos cofres camarários do adiantamento de 300 mil euros pagos ao promotor do Centro de Exposições Transfronteiriço (CET).

Mas no orçamento da autarquia para o próximo ano esta verba não está prevista. A oposição camarária revela que não foi incluída porque Rui Lages não tem esperanças de receber o adiantamento de um ano de rendas pela ocupação do futuro edifício, que não chegou a ser construído. Uma verba que foi paga, à Green Endogenous do empresário Ricardo Moutinho e que agora é exigida a devolução por incumprimento contratual.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PT2020. Portugal entre países que mais executam fundos europeus

Portugal apresentava uma taxa de reembolso de 81% dos fundos do Portugal 2020, o que coloca o país no segundo lugar no “ranking” dos 15 Estados-membros com orçamentos comparáveis.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Maiores bancos espanhóis preparam-se para contestar taxa sobre lucros “caídos do céu”

Os bancos espanhóis vão avançar com uma ação legal contra a contribuição sobre os lucros inesperados, de acordo com fontes próximas dessas instituições. Em Portugal, a medida não se aplica à banca. Antes, é exigida às empresas do sector da energia e da distribuição alimentar.
Comentários