“Orçamento da Saúde para o próximo ano poderá não ser suficiente”, alerta Correia de Campos

O antigo presidente do Conselho Económico e Social destaca o aumento de 2,7% do orçamento para a Saúde para 2023 mas adverte que o mesmo não vai ser suficiente tendo em conta que não acompanha “nem a inflação, nem a manutenção do equipamento, nem o reforço salarial necessário”

Apesar do aumento de 2,7% da fatia do Orçamento do Estado dedicada à Saúde para 2023, face ao documento orçamental de 2022, poderá não ser suficiente, alertou António Correia de Campos, antigo ministro da Saúde, em entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios.

O antigo presidente do Conselho Económico e Social destaca o aumento de 2,7% do orçamento para a Saúde para 2023 mas adverte que o mesmo não vai ser suficiente tendo em conta que não acompanha “nem a inflação, nem a manutenção do equipamento, nem o reforço salarial necessário”, realçando ainda que existe um desconforto e uma situação de sub retribuição.

Nesta entrevista, o antigo governante insistiu na necessidade de pagar melhor ao pessoal médico porque, caso contrário, não haverá pessoas para prestar esses serviços que agora são executados no exterior. Correia de Campos deixa mais uma advertência: “o desempenho não pode continuar a ser pago com horas extraordinárias”.

Além disso, este antigo ministro da Saúde defende a necessidade de contratar mais médicos e considera errada a ideia de criar limites às vagas nos cursos de medicina ou à criação de novas faculdades.

O Orçamento do Estado para o próximo ano (OE2023) foi aprovado esta sexta-feira, dia 25 de novembro, com o voto favorável do PS, a abstenção do PAN e do Livre e os votos desfavoráveis das demais bancadas parlamentares.

Relacionadas

Marcelo diz que é tempo de atualizar o SNS e oportunidade “não pode ser desperdiçada”

Discursando na cerimónia de Juramento de Hipócrates da região Sul, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa defendeu que o Serviço Nacional de Saúde “é um bem inestimável”, pelo que se espera que “seja possível atualizar o SNS, porque ele tem uma longa história e rica história mas o mundo mudou, a Europa mudou e Portugal mudou”.
Recomendadas

Ligações ferroviárias de Lisboa a Corunha e Madrid entre projetos apoiados pela UE

O executivo comunitário anunciou hoje que escolheu 10 projetos-piloto que apoiará para estabelecer novos serviços ferroviários ou melhorar os já existentes, apontando que, no seu conjunto, “irão melhorar as ligações ferroviárias transfronteiriças em toda a União Europeia, tornando-as mais rápidas, mais frequentes e mais acessíveis”.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta terça-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta terça-feira.

“Temos o melhor pipeline de sempre em oportunidades de negócio”, salienta CEO da Webhelp Portugal

O crescimento desta empresa que proporciona serviços de apoio ao cliente, permite aumentar o investimento e criar ainda mais postos de trabalho, de acordo com Carlos Moreira, o administrador da Webhelp em Portugal, no podcast “JE Entrevista”.
Comentários