Orçamento da zona euro gera discussão entre Costa e Centeno no Conselho Europeu

O primeiro orçamento para a zona euro foi debatido na última reunião do Conselho Europeu. Entre líderes, António Costa teve uma “discussão direta” com o seu ministro das Finanças, que enquanto presidente do Eurogrupo trabalhou em sentido contrário às pretensões do primeiro-ministro de Portugal.

O primeiro-ministro, António Costa, e o ministro das Finanças, Mário Centeno, desentenderam-se por causa do orçamento da zona euro na última reunião do Conselho Europeu, que decorreu na sexta-feira, o que gerou uma troca de argumentos em público que gerou perplexidade entre os restantes líderes da União Europeia (UE), dá conta o semanário “Expresso” este sábado, 14 de dezembro.

A “discussão direta” foi confirmada pelo semanário do grupo Impresa, que cita fonte europeia, e terá perdurado por algum tempo.

António Costa queria alterar “o texto das conclusões de forma a retirar a referência aos termos do instrumento orçamental” negociado por Centeno, enquanto presidente do Eurogrupo. Mas Centeno levou a melhor, visto que esses termos ficaram nas conclusões do documento debatido pelo Conselho Europeu.

Na origem da troca de argumentos em plena sala do Conselho Europeu estão os termos do primeiro orçamento da zona euro. Costa defende que o orçamento europeu deveria ser um instrumento de coesão e, por isso, deveria funcionar como um fundo para a coesão. Isto é, apenas os países da zona euro mais desfavorecidos e que respeitassem determinados critérios deveriam ser beneficiados pelo orçamento – “uma forma de ir buscar o dinheiro perdido com eventuais cortes nos fundos estruturais”, explica o “Expresso”.

Contudo, o trabalho desenvolvido pelo ministro das Finanças português na UE, enquanto presidente do Eurogrupo  não correspondeu às pretensões de António Costa. Mário Centeno acabou por trabalhar com as diretrizes que o Conselho Europeu passou ao Eurogrupo.

Recomendadas

Costa pede novas regras fiscais europeias que permitam investimentos estratégicos

Quando a União Europeia debate uma revisão das regras fiscais e financeiras o primeiro-ministro, António Costa, considera que existe uma proposta da Comissão que já tem “contributos muito positivos”, no entanto, é necessário, para além desses contributos, “um estabilizador macroeconómico permanente”, para “estabilização em situações de crise”.

Detida vice-presidente do Parlamento Europeu em investigação de lóbi ilegal do Qatar

A social-democrata grega Eva Kaili, está entre os cinco detidos na Bélgica no âmbito de uma investigação sobre alegado lóbi ilegal do Qatar para influenciar decisões políticas em Estrasburgo, diz a imprensa belga.

Eutanásia: Montenegro reitera dúvidas e diz que PS e Chega são “cúmplices no medo do referendo”

A Assembleia da República aprovou a despenalização da morte medicamente assistida em votação final global, pela terceira vez, com votos a favor da maioria da bancada do PS, da IL, do BE, dos deputados únicos do PAN e Livre e ainda de seis parlamentares do PSD. Votaram contra a maioria da bancada do PSD, os grupos parlamentares do Chega e do PCP e seis deputados do PS, registando-se três abstenções entre os sociais-democratas e uma na bancada socialista.
Comentários