PremiumOrçamento do Estado para 2022 é “reciclado” e “desajustado”

A Madeira deve receber 217 milhões de euros, o que corresponde a menos 15 milhões de euros das verbas designadas no Orçamento do Estado do ano anterior para a Região.

O Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) foi aprovado na generalidade na Assembleia da República no passado dia 29 de abril, contanto apenas com o voto a favor do PS.

A Madeira deve receber 217 milhões de euros, o que corresponde a menos 15 milhões de euros das verbas designadas no OE do ano anterior para a Região. Para a construção do novo Hospital da Madeira está autorizado um empréstimo do Estado até 158 milhões de euros.

Para a maioria parlamentar na Assembleia Legislativa da Madeira (ALRAM), representada pela coligação PSD/CDS, este Orçamento é uma “reciclagem” do OE chumbado em outubro passado, estando desfasado no tempo quanto à realidade atual. O Juntos pelo Povo (JPP) realça que o documento apresentado é de “continuidade” e desconsidera os assuntos relevantes para as regiões autónomas e o PCP vinca que se a proposta já era desajustada há seis meses, é ainda mais desajustada hoje. Quanto ao PS, o partido acredita que as medidas inscritas serão vantajosas tanto para as famílias como para as empresas.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor. Edição do Económico Madeira de 6 de maio.

Recomendadas

PremiumKalininegrado e Transnístria podem ser as próximas fronteiras do conflito

O enclave russo na Europa e a Moldava podem ser o próximo passo da escalada do conflito entre a Rússia e o Ocidente. A questão de Kalininegrado é muito delicada:está rodeada de territórios da NATO.

Premium“A prazo, todos pagamos” problema da precariedade, diz Renato do Carmo

Precariedade impacta a sustentabilidade da Segurança Social e retira o papel de inclusão social ao trabalho, defende o investigador.

PremiumBCE afasta estagflação e vinca diferença entre anos 70 e atualidade

Com um mercado laboral mais forte, desemprego em mínimos históricos e um banco central comprometido com uma baixa da inflação, o BCE vê o cenário de estagflação como menos provável do que nos anos 70. Projeção de crescimento de 2,8% afasta esta possibilidade.
Comentários