Orçamento extraordinário um “grande teste” ao Governo britânico, diz politólogo

O orçamento extraordinário que será apresentado na próxima semana será um “grande teste” ao Governo britânico de Rishi Sunak devido à grande fragmentação dentro do partido Conservador, afirmou o politólogo Tony Travers. 

7 – Reino Unido

O ministro das Finanças britânico, Jeremy Hunt, vai anunciar em 17 de novembro uma série de medidas em termos de impostos e despesa pública para reduzir a dívida pública e estabilizar a economia.

Inicialmente previsto para ser um “plano fiscal a médio prazo”, a intervenção foi convertida numa “declaração de outono”, com maior importância em termos de políticas sobre questões como apoios sociais e pensões, serviços públicos e infraestruturas.

Nas últimas semanas, têm circulado na imprensa britânica uma série de potenciais medidas em análise, como o aumento dos impostos sobre mais valias ou o corte em projetos como a linha ferroviária de alta velocidade HS2 para o norte de Inglaterra.

Travers, professor na universidade London School of Economics (LSE), acredita que esta é uma forma de o Governo testar uma eventual resistência dentro do próprio partido às propostas.

“O Governo ainda tem uma maioria [parlamentar] substancial de mais de 70 [deputados], mas é menos fiável do que parece. Nos últimos anos, os deputados têm-se tornado mais dispostos a votar contra a liderança do partido”, afirmou Travers num encontro com jornalistas, lembrando que bastam 35 votarem contra para derrotarem uma proposta.

Segundo Travers, “a fragmentação [entre os Conservadores] e o facto de os deputados serem menos fiáveis em fazer o que o partido quer pode ser um problema para o primeiro-ministro se as medidas neste orçamento forem impopulares”.

Desde que foi indigitado primeiro-ministro, Rishi Sunak tem beneficiado de uma “lua de mel” com os eleitores, tendo reduzido a desvantagem dos Conservadores para o partido Trabalhista.

Uma sondagem da empresa YouGov no início deste mês mostrou também que os eleitores consideram Rishi Sunak mais competente na área económica do que o líder da oposição, Keir Starmer.

Mesmo assim, referiu o académico, a margem entre os dois partidos é “suficientemente grande para garantir que o Partido Trabalhista ganhe facilmente uma maioria nas próximas eleições legislativas”.

De acordo com o Instituto de Estudos Fiscais, o Governo precisa de encontrar cerca de 50.000 milhões de libras [57.000 milhões de euros] para conseguir estabilizar a economia e começar a reduzir a dívida pública.

Segundo o jornal Financial Times, o ministro das Finanças pretende reduzir a despesa pública em 33.000 milhões de libras (37.500 milhões de euros) e aumentar impostos para obter 21.000 milhões de libras (24.000 milhões de euros) em receitas fiscais adicionais.

Estas medidas são uma resposta à instabilidade financeira que resultou do miniorçamento de 23 de setembro, quando o então ministro das Finanças, Kwasi Kwarteng, anunciou uma série de cortes fiscais sem justificar como seriam financiados nem o impacto nas contas públicas.

Quando entrou em funções, Hunt cancelou quase todos os cortes ficais prometidos pela primeira-ministra, Liz Truss, e avisou para a necessidade de “algumas decisões muito difíceis” para garantir a sustentabilidade fiscal do país.

A crise económica e política criada pelo miniorçamento acabou por ditar a demissão de Truss apenas sete semanas depois de ter entrado para o cargo.

O Reino Unido registou em setembro uma taxa de inflação de 10,1%, a mais alta em 40 anos, e o Banco de Inglaterra antecipou uma recessão prolongada e um aumento do desemprego.

Recomendadas

Presidente de Taiwan falha estratégia de usar a China como ameaça

Tsai Ing-wen renunciou ao cargo de líder do Partido Democrático Progressista depois de a sua estratégia de enquadrar as eleições locais como uma demonstração de desafio à China não ter conquistado o eleitorado.

NATO Industrial Advisory reúne com a indústria da defesa em Gaia

Órgão consultivo e de assessoria de alto-nível que atua como foco e porta-voz das indústrias e das associações nacionais de defesa e segurança junto da NATO, reúne de 28 a 30 de novembro com 51 entidades de 25 países.

Obiang reeleito Presidente da Guiné Equatorial com 94,9% dos votos

O presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang, ganhou as eleições presidenciais com 94,9%, anunciou a Junta Eleitoral Nacional, pelo que avança para o sexto mandato de sete anos. A oposição queixa-se de fraude generalizada.
Comentários