Orçamento Regional da Madeira para 2023 encolhe 53 milhões de euros

A proposta de orçamento regional é de 2.070 milhões de euros, enquanto que no ano anterior ficou em 2.125 milhões de euros.

A Região Autónoma da Madeira vai ter um Orçamento Regional para 2023 de 2.070 milhões de euros.

Comparativamente ao Orçamento de 2022, são menos 53 milhões de euros (2.125 milhões).

A receita fiscal é de 1.056 milhões de euros, mais 146,7 milhões do que este ano (909,3 milhões de euros) e o passivo financeiro é de 384,9  milhões, menos 163,7 milhões do que em 2022 (548,6 milhões).

Ao nível do IRS, a Região espera arrecadar 240,2 milhões de euros, o que comparativamente a este ano são mais 21,2 milhões (219 milhões de euros), e no IRC o Governo Regional espera 138,7 milhões, mais 49,4 milhões de euris do que em 2022 (89,3 milhões).

Já no que diz respeito aos impostos indiretos, o IVA deverá contribuir com 511,6 milhões de euros para o Orçamento, mais 78,9 milhões  do que o previsto para o Orçamento de 2022 (432,7 milhões).

O ISP representa 51,5 milhões das receitas deste Orçamento, menos 8,7milhões de euros do que no Orçamento de 2022 (60,2 milhões de euros).

O valor global da despesa é de 2.070 milhões de euros, menos 53 milhões do que em 2022 (2.125 milhões de euros).

A Secretaria da Saúde é a que tem o orçamento mais elevado, com 456,1 milhões, mais 122,1 milhões de euros face a este ano (334 milhões), seguindo-se a Secretaria da Educação, com 448,2 milhões, mais 34,5 milhões de euros do que em 2022 (413,7 milhões), e a Secretaria dos Equipamentos e Infraestruturas, com 362,6 milhões, mais 71,7 milhões do que em 2022 (290,9 milhões de euros).

[Atualizada às 11h, a 16 de dezembro]

Recomendadas

Orçamento do Funchal para 2023 aprovado por maioria na Assembleia Municipal

A proposta de Orçamento da Câmara Municipal do Funchal para 2023 foi aprovada com os votos a favor dos 25 deputados da coligação PSD/CDS-PP, contando com os votos contra do PS (nove deputados), BE (três), PAN (um), MPT (um) e CDU (um).

O que é o spread no crédito à habitação e como saber se está adequado? Saiba aqui

Para quem contratou crédito à habitação há mais de dez anos é possível que esteja a pagar um spread elevado, se comparado com o atualmente praticado no mercado. Atualmente há ofertas bancárias com spreads abaixo de 1% no crédito à habitação, com bancos a oferecer spreads de 0,85%.

Madeira: Secretário das Finanças apresenta Orçamento Regional na Comissão de Economia, Finanças e Turismo

“São mantidas as reduções do IRC e da Derrama, havendo ainda a previsão de manter a intervenção na fixação dos preços dos combustíveis, à semelhança do que está a ser feito este ano”, apontou Rogério Gouveia.
Comentários