Falta de médicos ameaça urgências no Natal e Ano Novo

Caos nas urgências dos hospitais pode vir a agravar-se durante o mês de dezembro, devido à falta de profissionais de saúde para preencher as escalas.

Alguns hospitais podem estar em risco de não conseguir médicos suficientes para várias especialidades em vários dias do mês de dezembro, incluindo o dia de Natal e fim-de-ano, alerta a Ordem dos Médicos.

“As escalas estão vazias. Já recebi um email de um colega de um hospital a relatar que a escala está cheia de faltas em dezembro. E muitas das empresas não têm capacidade para colocar médicos”, conta o presidente da secção Centro da Ordem dos Médicos, Carlos Cortes, ao Diário de Notícias.

Para resolver este problema, as empresas de prestação de serviço já estão a colocar anúncios a pedir médicos. Segundo uma investigação feita pelo DN, a anestesiologia é uma das especialidades que mais faz falta no Serviço Nacional de Saúde (SNS), seguida da dermatologia, radiologia e medicina interna.

A Ordem dos Médicos lembra que o mês de dezembro é por norma o que regista uma maior afluência por causa da gripe e doenças respiratórias causadas pelo frio, o que pode gerar o caos nas urgências, no caso de estas vagas não serem devidamente preenchidas.

Recomendadas

Proteção Civil avisa para cheias e inundações no sul do país até segunda-feira

Para segunda-feira, as previsões são de “períodos de chuva ou aguaceiros, mais frequentes e intensos na região Sul, com possibilidade de ocorrência de trovoada” e “vento fraco a moderado (até 30 km/h) do quadrante leste, sendo moderado a forte (30 a 40 km/h) do quadrante sul na região Sul até ao meio tarde, e nas terras altas, com rajadas até 70 km/h”.

Covid-19. França não descarta regresso da máscara e apela à vacinação

O ministro francês da Saúde, François Braun, garantiu este domingo não descartar o regresso da obrigatoriedade do uso de máscara, face ao aumento do número de infetados por Covid-19, e apelou à vacinação.

Associação Zero: Legislação de proteção dos solos está “na gaveta” há sete anos

De acordo com a nota de imprensa, um estudo da Agência Portuguesa do Ambiente, de 2017, concluiu que o país “ganharia cerca de 25 milhões de euros em seis anos, em resultado da publicação do ProSolos, aos quais se acrescentariam ganhos ambientais e na saúde pública”.
Comentários