Ordem dos Médicos realça valor da vacinação e apela para que não se perca o foco

A Ordem dos Médicos (OM) reafirmou esta terça-feira a importância da vacinação contra a covid-19, defendendo ser crucial manter o foco neste processo, com uma “estratégia bem definida” e meios suficientes para a sua operacionalização.

Bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães

Fazendo um balanço de um ano de vacinação em Portugal, o bastonário da Ordem dos Médicos, citado em comunicado, recorda os “vários problemas” no arranque inicial do processo, mas destaca o sucesso “inegável” das vacinas.

A vacinação arrancou há um ano em Portugal, com a primeira dose a ser simbolicamente administrada ao infeciologista António Sarmento, diretor de serviço de doenças infeciosas do Hospital de São João, no Porto, e membro do Gabinete de Crise Covid-19 da OM.

A Ordem dos Médicos refere que “depois de vários problemas no arranque inicial”, nomeadamente por não se ter logo começado a vacinar por idade e em grandes centros de vacinação, como tinha recomendado, “o processo acabou por ser alterado, com o almirante Gouveia e Melo a concretizar a missão com sucesso”.

“Passado um ano, não recuperámos ainda a vida que gostaríamos, mas é inegável que as vacinas são um sucesso e um marco na viragem no combate à pandemia. Estamos a conseguir reduzir o número de casos graves e com desfecho fatal que, no fundo, é o principal objetivo”, salienta o bastonário e coordenador do Gabinete de Crise.

Mas, alerta Miguel Guimarães, “este vírus também nos ensinou que não podemos dar nada como garantido, pelo que é crucial manter o foco no processo de vacinação, dotando-o de uma estratégia bem definida e de meios suficientes para a sua operacionalização”.

Para Miguel Guimarães, “perder a confiança da população nesta fase, é abdicar de dois anos de grandes sacrifícios pessoais com consequências imprevisíveis, pelo que importa evitar a todo o custo episódios de comunicação errática ou de falta de resposta dos serviços”.

Por outro lado, salienta, continua por concretizar a transparência dos dados.

“Importa saber o que está a acontecer, nomeadamente o perfil dos internados e das mortes no que ao esquema vacinal e morbilidades associadas diz respeito”, reforça Miguel Guimarães.

Atualmente, quase 8,7 milhões de pessoas já têm a vacinação completa, mais de 2,3 milhões já tomaram a dose de reforço e cerca de 95 mil crianças foram vacinadas com a primeira dose da versão pediátrica da vacina da Pfizer, segundo dados das autoridades de saúde.

Recomendadas

Investigadores da UC testam técnica inovadora no tratamento do cancro do pulmão

Uma equipa de investigadores da Universidade de Coimbra testou, pela primeira vez em Portugal, a Imuno-PET, uma técnica inovadora que pode ajudar a prever a resposta aos tratamentos de imunoterapia, terapêutica utilizada em doentes com cancro do pulmão.

Governo dos Açores anuncia seis milhões de euros para medicamentos para idosos

O vice-presidente do Governo dos Açores, Artur Lima, anunciou este sábado que o Plano e Orçamento de 2023 irá prever uma verba “histórica” para o Compamid, que apoia os idosos na aquisição de medicamentos, de seis milhões de euros.

Isolamento deixa de ser obrigatório para infetados com Covid-19

O Ministério da Saúde também aponta que os testes a covid-19 deixam de ser prescritos via SNS 24
Comentários