Espaço marítimo português vai ter plano de ordenamento atualizado

Esta nova versão do plano resultado de um acordo difícil entre o Ministério do Mar, APA – Agência Portuguesa do Ambiente e ICNF – Instituto de Conservação da Natureza e Florestas.

“2018 trará uma enorme quantidade de oportunidades para que as marcas se envolvam com os seus clientes ao longo de todo o ciclo de procura e compra. No entanto, é o consumidor quem vai escolher como se quer relacionar com elas. Com as necessidades dos viajantes a alterarem-se, a abordagem “um tamanho serve a todos” vai deixar de funcionar. As marcas terão de incorporar outras ferramentas nos seus pontos de contacto, como o chat ou o messenger, de forma a melhorar a experiência de consumo e a descobrir a melhor forma de “falar” com os clientes. Por outro lado, a tendência de aplicações all-in-one – ou seja, a “combinação” de dados dos segmentos (hotéis, rent-a-car, etc.) com o itinerário do viajante – estará cada vez mais presente”.

Ana Paula Vitorino, ministra do Mar, vai apresentar hoje, dia 12 de dezembro, pelas 11 horas, a segunda versão do PSOEM – Plano de Situação do Ordenamento do Espaço Marítimo nacional.

A sessão irá decorrer nas instalações do Ministério do Mar, em Algés, e vai ter impacto em diversas atividades económicas fulcrais para o país, como a exploração petrolífera, energias renováveis ‘off shore’, pescas, exploração mineral no subsolo marinho e várias atividades emergentes da economia azul, entre outras, numa altura em que as negociações de Portugal na ONU – Organização das Nações Unidas para extensão da plataforma continental se aproximam de um tempo decisivo.

A relevância da nova versão do PSOEM deriva também do facto de finalmente se ter conseguido um acordo sobre esta matéria entre diversas instituições estatais, desde logo, o Ministério do Mar, mas também a APA – Agência Portuguesa do Ambiente e o ICNF – Instituto de Conservação da Natureza e Florestas.

 

 

Recomendadas

Ativistas aumentam pressão sobre governos para intensificarem esforços de ação climática

Até ao momento, mais de 80 processos judiciais foram iniciados em todo o mundo para “obrigar” os governos a intensificarem os esforços.

“Gravidade da seca em Portugal é impressionante”, alerta especialista das Nações Unidas

Portugal atravessa uma seca “impressionante” e precisa de melhorar a eficiência do uso da água, nomeadamente no setor da agricultura, alertou hoje o relator especial para os Direitos Humanos e o Meio Ambiente das Nações Unidas (ONU).

Enviado das Nações Unidas avisa que Portugal “tem de acelerar” ação climática

Portugal deve acelerar o ritmo dos progressos a nível ambiental e reforçar a aplicação das leis face à emergência climática, defendeu hoje o enviado das Nações Unidas (ONU) David Boyd, após visitar o país durante nove dias.
Comentários