“Organizar um evento desportivo tornou-se uma forma de lavar dinheiro”, apontam analistas

A forma como o desporto e em particular o futebol tem sido utilizado pelos países árabes para lavarem dinheiro esteve em debate na Web Summit.

Sam Barnes / Web Summit

A forma como o desporto e em particular o futebol tem sido utilizado pelos países árabes para lavarem dinheiro esteve em debate na Web Summit esta quarta-feira, 2 de novembro, no painel intitulado ‘The year of Sportswashing’.

Joey D’Urso, jornalista do ‘The Athletic UK’ referiu que “organizar um evento desportivo tornou-se hoje em dia uma forma de lavar dinheiro”, apontando que o mesmo cenário está acontecer também com os clubes de futebol.

“O Catar tentou comprar o Manchester United e a Roma, mas depois acabou por adquirir o Paris Saint-Germain, que acabou por revelar-se para eles [Catar] um modelo de sucesso mais vantajoso”, afirmou.

Presente neste debate esteve Miguel Delaney, jornalista desportivo do ‘The Independent’, onde sublinhou que a lavagem de dinheiro no desporto é mais do que uma simples questão de relações públicas.

“Isso é apenas uma pequena parte de um problema que é muito maior e mais sofisticado. Trata-se de Estados que querem integrar-se cada vez mais na Europa, e com isso criarem negócios e economias alternativas”, realçou dando o exemplo da Arábia Saudita que, “através do Manchester City, tem vindo a construir um autêntico império”.

Recomendadas

António Costa e a maldição do sete. Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes”

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.

Reabilitação do Centro Municipal de Desportos Náuticos de Coimbra já foi consignada

A primeira fase de reabilitação dos pavilhões do Centro Municipal de Desportos Náuticos de Coimbra, orçada em 338 mil euros, foi consignada hoje, revelou o município.

Mundial2022: Qatar retifica que morreram 40 trabalhadores nas obras dos estádios

Um porta-voz do Campeonato do Mundo de Futebol do Qatar retificou hoje o número anteriormente anunciado por um responsável de trabalhadores mortos na construção dos estádios para a competição, de “entre 400 e 500” para 40.
Comentários