“Um banco é mais importante do que uma sapataria”

Quem o diz é Carlos Costa, governador do Banco de Portugal. Conheça as metas que o supervisor considera essenciais para as instituições bancárias.

Cristina Bernardo

Durante a sessão de abertura do Fórum Banca 2016, Carlos Costa referiu que os bancos não são “uma empresa qualquer”. De acordo com o governador do Banco de Portugal, “não é possível ter políticas económicas que não se reflitam no final do dia nos bancos”, porque qualquer ação acaba por ter reflexos em “dificuldades de rentabilidade e de recuperação de crédito”.

“Todos nós aprendemos uma coisa: um banco é mais importante do que uma sapataria”, exemplificando ainda com outro tipo de empresas. Caso algo corra mal, Carlos Costa garante que “tem custos sociais importantes”. “Não é uma empresa como outra qualquer. Quando um banco abre falência, não abre mercado, injeta veneno na economia”.

De acordo com o governador do Banco de Portugal, seja através de planos de recuperação ou de resolução, uma instituição financeira tem de ser acompanhada em “toda a sua fase de doença”.

Atualmente, os bancos enfrentam desafios como a melhoria da rendibilidade e a adaptação às novas exigências regulatórias e respetiva observância. Mudar a cultura e o comportamento das organizações e demonstrar segurança, integridade, fiabilidade e qualidade dos serviços fornecidos para recuperar a confiança dos stakeholders é outros dos desafios da banca, bem como o investimento em inovação.

“Não ignorem os modelos informáticos de ‘credit scoring'”, recomendou também Carlos Costa, durante o Fórum Banca 2016. Para o governador do Banco de Portugal, o preço não deve ser necessariamente o fator de decisão, mas sim “a eficácia e rapidez do financiamento”.

Carlos Costa fez ainda referência ao peso das obras públicas, citando aquilo que está presente no mais recente Relatório de Estabilidade Financeira.

Recomendadas

Orçamento do Estado para 2023 em debate no CCB

O evento organizado pelo Jornal Económico em parceria com a EY vai contar com a presença de António Mendonça Mendes, secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, como keynote speaker. Os diferentes painéis vão abordar o IRS e IRC, os impostos indiretos e patrimónios, as empresas e ainda responder à questão se este é o “OE de que o país precisa”.

JE e EY promovem conferência sobre OE2023 na terça-feira, 25 de outubro

A proposta de Orçamento do Estado (OE) para 2023 vai estar em debate no dia 25 de outubro, numa iniciativa do JE e da EY, que terá lugar na sala Almeida Negreiros do CCB, em Lisboa.

Reveja a talk da NTT DATA e do Jornal Económico sobre ciber resiliência

Num mundo cada vez mais digital, as organizações têm perímetros mais alargados, crescendo e encolhendo à medida que os colaboradores equilibram as suas rotinas de trabalho entre o presencial, híbrido e remoto. Assista em direto.
Comentários