“Os Horários do Funchal vão continuar a ser uma empresa pública”, defende Albuquerque

O governante realçou que é contra a privatização de setores estratégicos e anunciou um aumento de 1,5% nos ordenados dos trabalhadores dos Horários do Funchal e da Empresa de São Gonçalo.

A intenção do Governo Regional é continuar a ter os Horários do Funchal (HF) como uma empresa pública. Esta foi a posição do presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, vincada esta quarta-feira na apresentação de cumprimentos festivos. O governante aproveitou para acrescentar que é contra a privatização de setores estratégicos e que o executivo vai proceder a um aumento de 1,5% nos ordenados dos 425 trabalhadores dos HF e dos 67 empregados da Empresa de São Gonçalo.

Albuquerque destacou que apesar de os HF se manterem na esfera pública é preciso que a empresa seja bem gerida reforçando a importância de os ativos serem “utilizados no sentido de garantir uma boa rentabilidade”.

O governante salientou ainda que a intenção do Governo Regional é de garantir “melhores condições de trabalho” para os trabalhadores.

Albuquerque fez alusão que a Madeira está agora num “novo quadro económico e social” que permite “olhar com algum optimismo”.

Apesar disso o governante destaca que “não vale a pena pensarmos que vamos fazer loucuras de gastos sem ponderação” reforçando a intenção do executivo em continuar a fazer “os investimentos que são necessários”.

Recomendadas

Madeira: Acordos de gestão entre a Segurança Social e as IPSS vão passar para 20 anos

Neste sentido, com a presente alteração pretende-se adequar a duração dos acordos de gestão que envolvam a cedência de utilização do edificado em regime de comodato, onde sejam desenvolvidas respostas sociais, numa lógica de melhor aproveitamento dos recursos disponíveis.

Madeira: Parceria entre Governo Regional e as Irmãs Hospitaleiras no Internamento na Pedopsiquiatria apoiou 889 crianças e jovens

A UPSR é uma das quatro unidades de internamento em pedopsiquiatria existentes em todo o país e conta com uma lotação de dez camas. 

Presidente da Câmara do Funchal diz que muitas das promessas feitas estão a ser concretizadas

O presidente da autarquia referiu que mais do que “prometer e falar, aquilo que a polução tem que sentir é a materialização dos projetos que nós nos comprometemos a fazer”.
Comentários