“Portugueses sabem que este é um orçamento responsável”. Governo garante que OE2022 não é de austeridade

“Os portugueses sabem que este é um orçamento responsável”, assegurou Ana Catarina Mendes no Parlamento.

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, fala aos jornalistas após ter entregue o Programa do XXIII Governo Constitucional ao presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva (ausente da fotografia), na Assembleia da República, em Lisboa, 01 de abril de 2022. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, encerrou o debate na generalidade do Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), uma ocasião onde defendeu o diploma e garantiu que este não era o Orçamento da austeridade.

“184 dias depois chegamos ao ponto onde ficamos a 27 de outubro de 2021. Nesse dia, como hoje, a Assembleia da República é chamada a pronunciar-se na generalidade sobre a proposta de Orçamento do Estado para 2022”, recordou Ana Catarina Mendes no começo do seu discurso.

A governante continuou e lembrou que “há 184 dias aqui estivemos a pedir a confiança da câmara para trabalhar a proposta de orçamento. Então manifestamos disponibilidade para assumir em sede de especialidade a conclusão de uma negociação parlamentar capaz de criar as condições para aprovação final da proposta de Orçamento do Estado”.

Segundo Ana Catarina Mendes desde essa altura que o Governo tem mostrado disponibilidade para negociar, ainda assim os “partidos à esquerda não quiseram aprovar o orçamento”.

“Os portugueses sabem que este é um orçamento responsável”, assegurou Ana Catarina Mendes, acrescentando que este “não é o orçamento da austeridade”.

Segundo a governante este é o orçamento que “cumpre a regra da atualização das pensões” com efeito retroativos em janeiro deste ano”, onde existem “aumentos sustentados na massa da administração pública”.

“Neste orçamento continuamos a apoiar apoios sociais e criamos medidas extraordinárias”, disse Ana Catarina Mendes, acrescentando que o diploma prevê igualmente “aumento em 900 milhões para contratar os professores”.

A ministra dos Assuntos Parlamentares prosseguiu na sua defesa do OE 2022 e mencionou que “o investimento público passa de 3,8% para 4,9% do PIB”. Todos estes aspetos diferentes da época de austeridade em 2015, segundo Ana Catarina Mendes.

“É um orçamento de reforço do estado social e de solidariedade e de força para a economia portuguesa”, garantiu, completando que os portugueses também podem estar seguros de que “nunca será o Governo a promover espiral inflacionista”.

 

Relacionadas

Orçamento do Estado 2022 aprovado na generalidade apenas com votos a favor do PS

O PSD, Chega, Iniciativa Liberal, Bloco de Esquerda e PCP votaram contra e o PAN e Livre abstiveram-se. A votação final global decorrerá a 27 de maio.

OE2022: Partidos de direita lamentam falta de ambição e reformismo do Executivo

Rui Rio acusou o Governo de se apoiar na inflação para “enganar as pessoas”, enquanto os liberais apontam falhas na ambição e no sistema educativo e de saúde. Chega lamenta que, na justiça, esta não seja uma proposta “que acabe de uma vez por todas com o Ricardos Salgado e Joões Rendeiro à solta neste país”.

Esquerda mantém voto contra OE2022 e critica falta de apoios aos trabalhadores

“A inflação permite um brutal aumento da receita fiscal, mas o Governo decidiu não usar essa receita para apoiar quem trabalha e vê o salário comido pela inflação”, disse Catarina Martins no Parlamento. E Jerónimo de Sousa fez uma comparação direta desta proposta com a dos da Geringonça: “o tempo de conquista de direitos acabou mesmo”, declarou.
Recomendadas

Montenegro sucede a Rio na liderança do PSD

Com ainda pouco menos de um terço dos mais de 30 mil votos por apurar, Luís Montenegro está confirmado como o próximo líder social-democrata e o sucessor de Rui Rio na liderança do PSD.

PSD: Montenegro com quase 75% dos votos quando estão apuradas metade das secções

Quando estavam apuradas 158 das 317 secções, Luís Montenegro tinha 74,11% e Jorge Moreira da Silva apenas 25,89% dos votos, de acordo com o ‘site’ que disponibiliza os resultados das eleições diretas do PSD em tempo real.

Isabel Camarinha já vê efeitos da maioria absoluta do PS na falta de diálogo do Governo

A secretária-geral da central sindical considera que “o Governo e esta maioria absoluta do Partido Socialista têm que ouvir os trabalhadores”, pelo que uma greve geral em conjunto com a UGT não pode ficar excluída. Ainda assim, sempre dependendo “da evolução da situação e das respostas que sejam dadas”.
Comentários