Óscares: Quanto custa o maior evento do cinema mundial?

Na primeira cerimónia da entrega das estatuetas douradas, os bilhetes tinham um custo de cinco dólares e 270 pessoas na plateia. Nesta edição, os bilhetes custavam 750 dólares (cerca de 686 euros) e era apenas para nomeados e familiares ou convidados destes, não estando aberta ao público.

O evento dos Óscares nasceu em 1929 e, desde então, a cerimónia que premeia os melhores filmes e atores continua a colar cinéfilos e curiosos ao ecrã e à entrada do Dolby Theatre. Este domingo realizou-se a 92ª cerimónia dos Óscares, que ficou marcada pela grande vitória do filme “Parasitas”. O filme sul-coreano arrecadou quatro prémios, mas foi a obra cinematográfica que necessitou de menos orçamento.

De acordo com os dados recolhidos pelo “Insider”, o “Parasitas”, por ter recebido grandes elogios por parte da crítica e do público, soma 163,3 milhões de dólares (149,4 milhões de euros) de receitas nas salas de cinemas.

Ainda assim, nem só de filmes coreanos se trataram os Óscares. A cidade de Los Angeles, nomeadamente o Teatro Dolby, recebe desde 2002 a cerimónia de entrega das estatuetas, sendo que todos os anos a economia local recebe um impulso de 130 milhões de dólares (119 milhões de euros), o que ao fim de 18 anos significa um impulso económico de 2.142 mil milhões de euros.

Quando a primeira cerimónia da entrega das estatuetas douradas aconteceu, os bilhetes tinham um custo de cinco dólares e 270 pessoas na plateia. Nesta edição, os bilhetes custavam 750 dólares (686 euros) e era apenas para nomeados e familiares ou convidados destes, não estando aberta ao público. O valor foi revelado por Antonio Banderas numa entrevista ainda antes da cerimónia acontecer.

A cerimónia em si tem um custo total de 44 milhões de dólares (40,26 milhões de euros), um valor que vai crescendo conforme a análise completa à entrega de prémios. Sabe-se que a estatueta em forma humana dourada custa um dólar (0,91 euros), sendo que o regulamento da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood determina que os vencedores não podem vender a figura sem oferecer a mesma à organização pelo mesmo dólar.

O conhecido tapete vermelho precisa de 900 horas para ser colocado todos os anos, necessitando de 18 funcionários. Com um comprimento total de 4.645 m2, a passadeira vermelha pisada por diversas estrelas de Hollywood custa 24.700 dólares (22,6 mil euros), tendo segurança privada unicamente para verificar que ninguém a danifica.

É nos Óscares que as celebridades mais querem estar presentes, guardando o melhor fato para a última e mais importante cerimónia. O custo médio de um vestido de uma atriz de topo é de 10 milhões de dólares (9,15 milhões de euros). Completado com jóias e os acessórios mais caros, as roupas de Cate Blanchett em 2014 amealharam um total de 18,1 milhões de dólares (16,56 milhões de euros), sendo a mais cara de sempre.

Não só de prémios tratam os Óscares. Como mencionou Bong Joon-ho, que queria parar a cerimónia para beber, a festa após a entrega das estatuetas é uma das mais caras de sempre, com os bilhetes a ascender os 105 mil dólares (96 mil euros), sendo esta da autoria da revista “Vanity Fair”.

As celebridades, além de estatuetas, também levam para casa sacos de ofertas. Geralmente, este saco de bens conta com um valor de 148 mil dólares (135 mil euros), sendo que no ano passado os convidados e nomeados receberam produtos com canábis, devido à legalização do consumo na Califórnia.

Tal como o evento da Super Bowl, os Óscares também têm anúncios para quem vê a partir da televisão. Um único anúncio de 30 segundo custa 2,6 milhões de dólares (2,4 milhões de euros), um valor 54% inferior ao preço estipulado pela final do jogo de futebol americano. A estação de televisão norte-americana ABC fatura 149 milhões de dólares (136 milhões de euros) com a publicidade.

Apesar do filme mais longo de sempre a ser nomeado para os Óscares ser de 238 minutos (‘E tudo o vento levou’), para ver todos os 53 filmes nomeados este ano são necessários 4.954 minutos, o equivalente a 82 horas de maratona cinematográfica.

Relacionadas
Bong Joon-ho

Filme sul-coreano “Parasitas” triunfa nos Óscares mais internacionais de sempre

Realizador, produtor e argumentista Bong Joon-ho conquistou quatro estatuetas douradas na 92.ª cerimónia de entrega dos Óscares. Entre os restantes vencedores da noite destacou-se Joaquin Phoenix, graças à sua interpretação em “Joker”.

PremiumNetflix: Óscares ameaçam trocar salas de cinema pelas salas de estar

A 92.ª cerimónia de entrega dos Óscares da Academia de Hollywood poderá representar o triunfo do “streaming” sobre o cinema tal como existiu até agora. A Netflix lidera no número de nomeações, graças a “The Irishman”, “Marriage Story” e “The Two Popes”, e na madrugada de segunda-feira ficar-se-á a saber se filmes como “Joker” e “1917” resistem à “novíssima” Hollywood.

Sem apresentador e com críticas sobre falta de diversidade. Conheça os candidatos aos Óscares

A cerimónia terá, em vez do tradicional anfitrião, um rol de 40 celebridades que irão passar pelo palco para apresentar as 24 categorias dos prémios da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, incluindo Jane Fonda, Tom Hanks, Penélope Cruz, Spike Lee e Gal Gadot.

Óscares. Joker lidera nomeações. Sul-coreano Parasitas com seis nomeações

O filme realizado por Todd Phillips conta com 11 nomeações, incluindo Melhor Filme, Melhor Realizador e Melhor Ator.

‘Lobo de Wall Street’. Ex-corretor processa produtores do filme em 272 milhões de euros

O livro ‘O Lobo de Wall Street’ escrito por Belfort foi publicado em 2007 após o ex-corretor servir uma pena de prisão de 22 meses por fraude de valores mobiliários relacionada com as atividades desenvolvidas em 1980 e 1990 com a empresa Stratton Oakmont.
Recomendadas

“Um caroço de abacate” eleito melhor filme queer em Clermont-Ferrand

A curta-metragem portuguesa “Um caroço de abacate”, realizada por Ary Zara, venceu hoje o prémio de melhor filme queer do Festival Internacional de Curta-Metragem de Clermont-Ferrand (França), anunciou hoje a organização.

“Re Search TEX REX”: a reutilização têxtil como ponto de partida da exposição de Ana Baleia

A Galeria PLATO, em Évora, apresenta o trabalho desenvolvido pela designer e artista têxtil Ana Baleia no âmbito do ‘upcycling’ têxtil. A arte ao serviço da mitigação dos resíduos têxteis. Um caminho em prol do futuro.

2023 promete ser um ano em cheio para Serralves

Serralves abraçou o mote “Onde o futuro se cruza com a memória”, num ano em que celebra o centenário do seu emblemático Parque e a abertura da nova ala do Museu. Mas há muitas mais razões para espreitar a programação.
Comentários