Juan Carlos Conesa: “Outra grande recessão na Europa seria muito pior para os mercados de dívida”

O professor de Economia na Stony Brook University, em Nova Iorque, Juan Carlos Conesa, esteve em Portugal para conduzir o seminário ‘Optimal Austerity’, organizado pelo Banco de Portugal.  Em declarações ao Jornal Económico, alerta para a vulnerabilidade das economias europeias face a uma potencial nova crise, com o aumento da dívida na maioria dos países.

Stringer/Reuters

“A pior parte da crise da dívida no verão de 2012 foi evitada pela intervenção do BCE sob a direção de Mario Draghi. Isso não significa que esse episódio não possa acontecer novamente no futuro”, explica Juan Carlos Conesa, acrescentando que “os níveis de dívida na maioria das economias europeias são muito maiores agora do que em 2008, de modo que a vulnerabilidade aos potenciais problemas de pânico nos mercados de dívida ainda deve ser uma preocupação”.

Para o economista, “parece sensato” baixar o nível da dívida no PIB e aumentar o prazo de vencimento médio com o intuito de diminuir a vulnerabilidade a uma potencial recessão futura, para evitar que “se outra grande recessão atingisse a economia europeia, as consequências para os mercados de dívida” serem “muito piores”.

“Isso não significa que seja necessária mais austeridade – no sentido de cortar despesa. Isso só significa que seria prudente resistir à tentação de aumentar a despesa pública ao mesmo ritmo da retoma das receitas fiscais”, sublinha.

“A questão do compromisso é crucial aqui, uma vez que os governos são sempre tentados, ou pressionados por outros, a aumentar a despesa de acordo com o aumento das receitas fiscais, mas a preocupação com possíveis recessões futuras exige alguma prudência”, adverte.

Sobre o caso português, embora reconheça, não estar bem familiarizado com os dados, diz que “a economia está a crescer acima das expectativas e que as receitas fiscais recuperaram do impacto negativo da recessão de 2008-09. A proporção da dívida para o PIB caiu, mas ainda é muito alta, cerca de 130%”.

Relacionadas

Fitch: melhoria do ‘rating’ é esperada, mas peso da dívida levanta dúvidas

A expetativa é que a Fitch faça o ‘upgrade’ da notação de Portugal esta sexta-feira, devido ao crescimento económico do país. No entanto, a agência já tinha subido a perspetiva em 2014 sem depois tomar qualquer decisão sobre alterações ao rating. Os tempos já não são os mesmos, mas o endividamento do país pode ser a razão para travar a subida.

Costa afirma que Portugal registou a maior redução da pobreza desde a crise financeira

Numa crítica à oposição, António Costa referiu que há dois anos “muitos decretaram ser impossível e outros tantos votaram ao fracasso” a linha política então proposta pelo seu Governo.

Socialistas e Democratas europeus dizem que eleição de Centeno é vitória contra austeridade cega

“Esta é uma vitória pelo futuro da Europa e por todos os que lutámos para nos livrarmos da cegueira da austeridade”, disse Gianni Pittella, em comunicado.

Centeno: reduzir a dívida é fundamental

Ministro das Finanças garante, em entrevista ao Público, que a execução do Orçamento do Estado de 2018 está assegurada e que a sua eleição para o Eurogrupo não vai implicar mexidas na orgânica da sua equipa ministerial.
Recomendadas

Emirados Árabes Unidos vão fornecer à Alemanha gás liquefeito e gasóleo em 2022 e 2023

Segundo a agência noticiosa oficial dos Emirados, Wam, o acordo prevê a exportação de uma carga de gás natural liquefeito (GNL) para a Alemanha no final de 2022, seguida do fornecimento de quantidades adicionais em 2023.

Angola cresce 3,5% este ano, mas abranda para 1,8% em 2023

“O forte crescimento de Angola este ano dificilmente vai prolongar-se para 2023, já que a produção petrolífera deverá regressar à tendência decrescente”, lê-se numa análise às maiores economias da África subsaariana, região que deverá ver o PIB deste ano expandir-se 3,3%, abrandando face aos 4,4% do ano passado.

China diz que EUA estão a enviar “sinais perigosos” sobre Taiwan

O ministro dos Negócios Estrangeiros chinês deixou claro que uma escalada das atividades independentistas torna difícil um acordo pacífico, no que diz respeito a Taiwan,
Comentários