Outubro de 2022 foi o mês mais quente já registado na Europa, segundo o Copernicus

O mês de outubro de 2022 foi o mais quente já registado na Europa, indicou hoje em comunicado o Copernicus, Programa de Observação da Terra da União Europeia, após um verão com temperaturas recorde.

As temperaturas médias ficaram “quase 2ºC acima do período de referência, 1991-2020”, precisa o comunicado.

O serviço europeu, que não dispõe de dados comparáveis antes do período 1991-2020, já tinha anunciado que o verão de 2022 foi o mais quente já registado (1,34ºC acima do normal).

“As graves consequências das alterações climáticas são evidentes e precisamos de ações climáticas ambiciosas na COP27, para garantir a redução das emissões com o objetivo de estabilizar as temperaturas num nível próximo dos 1,5 graus fixados pelo acordo de Paris”, disse Samantha Burgess, diretora adjunta do programa da UE, citada pela agência France-Presse.

A 27.ª Conferência das Partes da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, para tentar travar o aquecimento do planeta, está a decorrer em Sharm el-Sheikh, no Egito, até ao próximo dia 18.

Segundo o Copernicus, “uma vaga de calor levou a temperaturas diárias recorde na Europa ocidental e a um mês de outubro sem precedentes na Áustria, Suíça e França, bem como em grande parte de Itália e de Espanha”.

O continente europeu é o que regista um aquecimento mais rápido no planeta.

Nos últimos 30 anos, a Europa registou um aumento das temperaturas de mais do dobro da média global, com um aquecimento médio de cerca de +0,5 graus celsius (ºC) por década, segundo um relatório da Organização Meteorológica Mundial (OMM) e do Copernicus divulgado há uma semana.

Em outubro, nalgumas partes do continente, o calor anormal juntou-se, como no verão, à falta de chuva. “O clima estava mais seco do que a média na maior parte do sul da Europa e no Cáucaso”, assinala o comunicado.

Inversamente, “no noroeste da península ibérica, em regiões da França e da Alemanha, no Reino Unido e na Irlanda, no noroeste da Escandinávia, numa parte significativa da Europa do Leste e no centro da Turquia, o tempo esteve mais húmido do que a média”.

No resto do mundo, o Copernicus assinalou que “o Canadá registou um calor recorde, tendo sido igualmente observadas temperaturas muito mais altas do que a média na Gronelândia e na Sibéria”.

“As temperaturas mais frias em relação à média foram registadas na Austrália, no extremo leste da Rússia e em partes da Antártida Ocidental”.

Desde o final do século XIX, a Terra aqueceu quase 1,2ºC, com cerca de metade do aumento a ocorrer nos últimos 30 anos. Este ano poderá ser o quinto ou o sexto mais quente já registado, apesar do impacto desde 2020 do fenómeno climático “La niña” – evento periódico e natural no Pacífico, que arrefece a atmosfera, segundo a AFP.

Recomendadas

Guia para gestão de Áreas Marinhas Protegidas quer ser “ferramenta útil”, afirma investigador

O “Guia de Boas Práticas para a Gestão e Monitorização de Áreas Marinhas Protegidas”, apresentado hoje, pretende ser “uma ferramenta útil” e simples para as pessoas que trabalham na área, disse um dos autores do documento à agência Lusa.

PremiumCOP27: economia fica sempre à frente dos interesses do planeta

A guerra, a inflação, os preços das energias tornaram a opção pela produção sustentável um luxo a que as economias não se podem dar. A guerra das Nações Unidas terá de ficar para mais tarde.

Pelo menos 238 mil pessoas morreram devido à poluição do ar em 2020, revela relatório

A poluição do ar provocou a morte de, pelo menos, 238 mil pessoas na União Europeia (UE), em 2020, mais do que no ano anterior, segundo um relatório da Agência Europeia do Ambiente (EEA, na sigla em inglês), hoje divulgado.
Comentários