Pagamentos móveis. China mostra o caminho

No novo território dos pagamentos móveis, a China está a anos luz do resto do mundo. Mas isso não bastou para convertê-lo num negócio lucrativo.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Na China, é habitual pagar comida ao domicílio, táxis, restaurantes, bilhetes de cinema e muito mais com o smartphone. Para os aspirantes a revolucionar o mercado nos EUA e outros países, isto serve como caminho para a provável evolução da indústria.

Os métodos tradicionais de pagamento sem dinheiro, como os cartões de créditos ou cheques, nunca tiveram adesão na China.

Os cartões bancárias fizeram progressos nos últimos anos mas a taxa de penetração continua a ser baixa para os padrões ocidentais. Até há pouco tempo, o dinheiro vivo mandava.

Isto permitiu à China superar os sistemas de pagamento tradicionais. Nos EUA, os fornecedores de pagamentos móveis como a Apple Pay e Venmo, propriedade da PayPal, dependem da infraestrutura tradicional dos cartões bancários. Não se passa o mesmo com as soluções de pagamento eletrónico na China, a filial da Alibaba, Alipay e Tenpay, ainda que as contas dos utilizadores tenham que estar associadas a uma conta bancária tradicional.

OJE

Recomendadas

Angola estuda impacto social de fim dos subsídios ao preço dos combustíveis

Segundo Vera Daves, Angola está a analisar com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial (BM) as “possíveis” medidas de mitigação do impacto social, porque as “preocupações mantêm-se” relativamente ao potencial impacto social da remoção dos subsídios aos combustíveis, que têm um preço muito baixo e não reflete a oscilação do mercado internacional.

Ucrânia: Portugal atribuiu mais de 55.000 proteções temporárias a pessoas que fugiram da guerra

Segundo a última atualização feita pelo SEF, desde o início da guerra, a 24 de fevereiro, Portugal concedeu 55.560 proteções temporárias a cidadãos ucranianos e a estrangeiros que residiam na Ucrânia, 32.569 dos quais a mulheres e 22.991 a homens.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.