Na China, é habitual pagar comida ao domicílio, táxis, restaurantes, bilhetes de cinema e muito mais com o smartphone. Para os aspirantes a revolucionar o mercado nos EUA e outros países, isto serve como caminho para a provável evolução da indústria.

Os métodos tradicionais de pagamento sem dinheiro, como os cartões de créditos ou cheques, nunca tiveram adesão na China.

Os cartões bancárias fizeram progressos nos últimos anos mas a taxa de penetração continua a ser baixa para os padrões ocidentais. Até há pouco tempo, o dinheiro vivo mandava.

Isto permitiu à China superar os sistemas de pagamento tradicionais. Nos EUA, os fornecedores de pagamentos móveis como a Apple Pay e Venmo, propriedade da PayPal, dependem da infraestrutura tradicional dos cartões bancários. Não se passa o mesmo com as soluções de pagamento eletrónico na China, a filial da Alibaba, Alipay e Tenpay, ainda que as contas dos utilizadores tenham que estar associadas a uma conta bancária tradicional.

OJE