Países da UE congelam orçamento para a defesa

Países da UE voltaram a congelar o orçamento anual da Agência Europeia de Defesa


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Os ministros da Defesa da UE – à exceção da Dinamarca, que não participa na agência -, reunidos no conselho diretivo da EDA, decidiram manter o orçamento para 2016 em 30,5 milhões de euros.

“Foi hoje discutido, mas não houve a unanimidade” necessária para aumentar o orçamento para 33,5 milhões de euros, como a agência pedia, indicaram fontes da organização.

Portanto, “voltará a haver um crescimento zero” este ano, disseram, uma tendência que se repete desde 2010.

As mesmas fontes advertiram que “até agora, realizaram tarefas com um orçamento muito limitado”, mas que “isso deixará de ser possível”. “Teremos de cancelar, reorganizar ou adiar ações”, comentaram.

Fundada em 2004, a EDA tem por missão apoiar os Estados membros no seu esforço para melhorar a capacidade de defesa da UE através da coordenação de projetos de cooperação, apoio à investigação e desenvolvimento tecnológico e mediação entre ministérios da Defesa e a Comissão Europeia.

OJE

Recomendadas

“Ameaça russa” leva países nórdico-bálticos a reerguer defesas da Guerra Fria

A “ameaça russa” está a levar os países da região nórdico-báltica a reconstruir infraestruturas de defesa que tinham sido abandonadas com o fim da Guerra Fria, reconhecem analistas.

Antigo PM britânico David Cameron defende que países pobres desenvolvam energias fósseis

O antigo primeiro-ministro britânico David Cameron acusou hoje em Londres de “hipocrisia” a comunidade internacional por estar a pressionar países em desenvolvimento a não investir em combustíveis fósseis devido às alterações climáticas.

Tribunal russo proíbe movimento de protesto Vesná declarando-o extremista

Um tribunal russo declarou hoje como organização extremista o movimento Vesná (‘Primavera’), que organizou protestos em todo o país contra a mobilização parcial para combater na Ucrânia, decretada em setembro passado pelo Presidente Vladimir Putin.