PAN propõe alargamento dos beneficiários da tarifa social de energia

A porta-voz do PAN acusou esta segunda-feira o Governo de “falta de atuação” quanto a um eventual aumento do preço da energia, e propôs um alargamento da tarifa social da eletricidade e do gás natural a mais beneficiários.

A porta-voz do PAN acusou esta segunda-feira o Governo de “falta de atuação” quanto a um eventual aumento do preço da energia, e propôs um alargamento da tarifa social da eletricidade e do gás natural a mais beneficiários.

“O PAN vê com alguma preocupação esta falta de atuação do Governo face às declarações não só do presidente da Endesa, mas também já os sucessivos alertas quanto à escalada de preços da eletricidade e da energia”, afirmou Inês Sousa Real em declarações à agência Lusa.

A deputada única do partido Pessoas-Animais-Natureza considerou que “deixar apenas na esfera do consumidor a resolução do problema” seria “ignorar que teremos um problema de pobreza estrutural no nosso país que implica que haja uma atuação e uma interferência do Estado”.

“Não podemos esquecer-nos que além da subida do preço da eletricidade e do gás, e pese embora as declarações da EDP, sabemos que para fazer face à inflação dificilmente se irá verificar que não há um aumento dos preços até ao final do ano, assim como sabemos que a dita solução ibérica não é suficiente para dar resposta aos problemas em Portugal”, alertou Inês Sousa Real.

A deputada única do PAN entregou esta segunda-feira na Assembleia da República um projeto de resolução (iniciativa sem força de lei), com o objetivo de recomendar ao Governo “o alargamento da tarifa social da energia, quer para o gás, quer para a eletricidade, com vista a garantir que todas as pessoas que vivem abaixo do limiar de pobreza têm acesso a esta mesma tarifa social, assim como as pessoas que recebem uma pensão social de velhice”.

Nesta resolução, o PAN propõe “um alargamento das condições de acesso à tarifa social da eletricidade, que integre no seu âmbito de elegibilidade os agregados familiares cujo rendimento total mensal seja igual ou inferior ao valor do limiar da pobreza” e também o “alargamento das condições de acesso à tarifa social do gás natural, que integre no seu âmbito de elegibilidade os beneficiários de pensão social de velhice, todos os beneficiários do abono de família e os agregados familiares cujo rendimento total mensal seja considerado baixo”.

E defendeu que, do ponto “de vista da justiça social e ambiental”, seria a medida “mais adequada ao momento” atual, além de que “esta tarifa é suportada pelos operadores, não pelo Estado, pelo que o custo para o Estado seria zero”.

“Seria uma forma de contribuir para travar a escalada do aumento de preços que afeta sobretudo as famílias mais carenciadas e ao mesmo tempo não estarmos a alimentar a indústria que polui com isenções ou benefícios fiscais porque aí estaríamos em contraciclo com o combate às alterações climáticas e seria simultaneamente uma medida social”, salientou a líder do PAN.

Inês Sousa Real assinalou igualmente que na semana passada apresentou no parlamento um projeto de lei que “visa taxar os lucros excessivos deste tipo de empresas e que 70% dessa taxa reverta para o apoio social às famílias”.

Em entrevista ao Jornal de Negócios e à Antena 1, divulgada no domingo, o presidente da Endesa, Nuno Ribeiro da Silva, disse que a eletricidade vai sofrer um aumento de cerca de 40% já nas faturas de julho.

No mesmo dia, o Ministério do Ambiente rejeitou as “declarações alarmistas” do presidente da Endesa, sublinhando que não vê “qualquer justificação” neste aumento e que o mercado livre tem outros comercializadores.

Relacionadas

Endesa compromete-se a manter preços contratuais

A Endesa comprometeu-se esta segunda-feira a manter os preços contratuais até dezembro e a cumprir os compromissos estabelecidos no mecanismo ibérico, depois de o presidente da empresa ter afirmado que a eletricidade iria subir 40% este mês.

Travão ibérico ao gás “não teve o efeito prometido”, alerta Coopérnico

A cooperativa de energias renováveis, que conta com mais de 2.400 associados, considera que o mecanismo ibérico que define um preço máximo para o gás natural usado para produzir eletricidade “não teve o efeito prometido”.

João Galamba nega subida na luz através de mecanismo ibérico

O secretário de Estado da Energia afirmou este domingo ser impossível verificar-se uma subida de 40% na fatura da energia através do mecanismo ibérico, apontada pelo presidente da Endesa, remetendo para as ofertas comerciais das próprias empresas.
Recomendadas

ICNF disponível para apoiar ações de venda de madeira ardida

O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) está disponível para apoiar autarquias, organizações de produtores florestais e proprietários em ações de venda de madeira ardida resultante dos incêndios, disse hoje o seu presidente.

China suspende negociações climáticas com EUA depois de visita de Pelosi a Taiwan

Também foi anunciado o cancelamento dos diálogos entre os ministérios de Defesa dos EUA e da China, o que pode aumentar o risco de uma escalada perigosa no Estreito de Taiwan.

“É imoral”. Guterres critica lucros ‘excessivos’ de empresas de petróleo e gás

Guterres disse que os lucros combinados das maiores empresas de energia no primeiro trimestre do ano foram de quase 100 mil milhões de dólares. Em paralelo, entre agora e o final do ano, 345 milhões de pessoas estarão em “insegurança alimentar aguda”.
Comentários