PAN vota contra moção de censura ao Governo

PAN acusa Chega de “jogos o números políticos” e sublinha que a moção de censura do Chega está “condenada”, sendo que vai “esbarrar numa maioria absoluta”.  

A porta-voz do PAN, Inês de Sousa Real, anunciou esta quarta-feira que o partido irá votar contra a moção de censura ao Governo proposta pelo Chega.

“O PAN não vai acompanhar esta moção de censura, vamos votar contra a moção de censura proposta pelo partido Chega, uma vez que entendemos que não é com este tipo de jogos ou números políticos que se faz o escrutínio à atividade do Governo ou que se dá as respostas que o país precisa quer em matéria do serviço nacional de saúde, quer também uma matéria tão relevante como a localização do aeroporto em alternativa ao existente na Portela”, disse Inês de Sousa Real sobre a moção que será debatida e votada esta tarde no Parlamento.

Para o PAN é “fundamental e o país tem falhado naquilo que tem de ser um debate estruturado em torno daquilo que sejam as reformas para o país, quer em matéria de saúde, de acesso à habitação, ao emprego ou até mesmo naquilo que tem de ser o crescimento do país e aproveitarmos os fundos comunitários que devem servir precisamente para resgatar de alguma forma o país que tem estado cativado entre a austeridade e as cativações”.

Inês de Sousa Real sublinhou ainda que no entender do partido a moção do Chega estava “condenada”, sendo que vai “esbarrar numa maioria absoluta”.

Na sexta-feira, o Chega anunciou a apresentação de uma moção de censura ao Governo. “Estamos perante um Governo sem estratégia e os escassos meses do XXIII Governo Constitucional foram já prova bastante da sua falta de capacidade e organização”, justificou o partido de Ventura na moção de censura.

Além do PAN outros partidos já manifestaram o seu sentido de voto nesta matéria: o PSD abstém-se, assim como a Iniciativa Liberal. O PCP, BE, Livre vão votar contra. À partida o documento contará apenas com votos a favor do Chega.

Recomendadas

PremiumIL quer avaliar e premiar o mérito na Função Pública

Cotrim de Figueiredo dá o pontapé de saída nos eventos da rentrée política elegendo como prioridade a Administração Pública. Quase todos os partidos vão abordar a degradação dos serviços públicos. PS só regressa em setembro.

Metadados, eutanásia e projeto de censura a Santos Silva são temas ‘quentes’ na reabertura do Parlamento em setembro

A despenalização da morte medicamente assistida, a lei dos metadados ou o projeto do Chega para condenar o comportamento do presidente do parlamento são temas que vão marcar o reinício dos trabalhos parlamentares em setembro.

“Centralidade das políticas publicas” está no “futuro da juventude”

A ministra-adjunta e dos Assuntos Parlamentares defendeu esta sexta-feira que a “centralidade das políticas públicas” está no “futuro da juventude” e salientou que é “absolutamente essencial” colocar os jovens como “líderes da comunidade” para combater populismos.
Comentários