Pão do Alentejo mais caro com subida dos preços dos combustíveis e farinha

O preço subiu para que a empresa consiga “manter a margem de lucro”, justifica Ronaldo Menezes, aludindo à quebra de faturação de “500 euros por dia”, de “um dia para o outro”, devido ao aumento dos combustíveis e da farinha, por causa da guerra na Ucrânia.

O ‘duplo impacto’ do aumento do preço dos combustíveis e da farinha de trigo está a ‘sufocar’ empresas de panificação do Alentejo, ‘obrigadas’ a ‘fazer contas à vida’ e a tornar mais caro o pão.

Com distribuição nas zonas de Évora, Beja, Setúbal e Lisboa, o pão do Torrão, produzido nesta vila do concelho de Alcácer do Sal, ficou mais caro esta semana, revela à agência Lusa o sócio gerente da empresa, Ronaldo Menezes.

“Já teve dois aumentos” este ano e, esta segunda-feira, sofreu “o terceiro”, realça, assinalando que um pão de 800 gramas passou a custar aos revendedores “1,40 euros mais IVA [Imposto sobre o Valor Acrescentado]”.

O preço subiu para que a empresa consiga “manter a margem de lucro”, justifica Ronaldo Menezes, aludindo à quebra de faturação de “500 euros por dia”, de “um dia para o outro”, devido ao aumento dos combustíveis e da farinha, por causa da guerra na Ucrânia.

Também a Padaria Amarelo, situada no centro histórico de Évora, já fez refletir a subida dos custos de produção e, em fevereiro, aumentou o preço do pão em 15%, indica à Lusa Aníbal Amarelo, um dos sócios-gerentes da empresa.

“Não basta o gasóleo, como também a matéria-prima” está a subir de preço, lamenta o empresário, salientando que a sua padaria, onde um pão de 800 gramas custa 1,90 euros, “vai ter mesmo” que fazer um novo aumento.

Os clientes “reclamam que o aumento foi exagerado”, conta Aníbal Amarelo, que considera que a sua empresa, apesar de ter tornado o pão mais caro, não se está a “aguentar” e, possivelmente, vai “voltar a subir novamente” o preço.

Na Padarias Reunidas do Torrão, os cerca de 20 funcionários produzem diariamente cerca de mil quilogramas de pão, que são vendidos nas lojas da empresa e transportados para pequenos mercados, supermercados e grandes superfícies fora da vila.

Esta panificadora, cujas instalações possuem seis fornos, um deles considerado raro por ser rotativo, tem “seis carrinhas a rodar todos os dias” para levar aos clientes pão de cabeça, a ‘estrela’ da empresa.

“A carrinha que faz a Margem Sul roda, em média, 360 a 370 quilómetros todos os dias” e uma outra que “faz Setúbal, Barreiro e Baixa da Banheira também anda na casa dos 300 quilómetros”, precisa o sócio gerente.

No final do mês, é “muito dinheiro em combustível”, sublinha Ronaldo Menezes, adiantando que a empresa gasta à volta de “cinco mil e tal euros” para fazer circular as carrinhas do pão.

“Estamos a tentar ver o que temos que fazer para tirar um carro da rua e se dá para juntar uma volta com outra”, mas “é difícil por causa dos horários”, pois “o pão tem que ser entregue de manhã cedo e um carro só não consegue chegar a todo lado”, diz.

Já a Padaria Amarelo, com seis trabalhadores, é uma pequena empresa familiar e tem um ponto de venda junto à fábrica, numa das principais ruas do centro histórico de Évora, além de duas carrinhas que fazem a distribuição “porta a porta” na cidade.

Com uma produção diária de cerca de 200 quilos de pão, são as carrinhas que levam a maior parte da produção a particulares e restaurantes, percorrendo cada uma delas “à volta de 100 quilómetros”, refere Aníbal Amarelo.

O impacto da subida dos combustíveis “é enorme e cada vez pior” e o “pouco que sobrava vai para impostos e, agora, o combustível está a levar o resto”, adverte, sem dar garantia sobre se a empresa se vai “aguentar muito mais tempo”.

Nesse sentido, o empresário defende que deveria “haver uma forma de o Estado reduzir” o imposto sobre os combustíveis, alegando que “as pequenas e médias empresas não conseguem” suportar os aumentos.

A par dos combustíveis, também a farinha aumentou e a Padarias Reunidas do Torrão, onde são gastos “30 mil quilos” dessa matéria-prima por mês, viu o preço passar de “35 para 55 cêntimos” por quilo, em apenas três meses, de acordo com o sócio gerente, Ronaldo Menezes.

Avisando que “Portugal pode ficar sem farinha daqui a duas semanas”, este empresário diz que o que mais o preocupa “é não ter o produto para trabalhar”, enquanto o seu colega de Évora lamenta que o Alentejo, que “antes produzia trigo”, agora o tenha de importar, sobretudo, dos países do Leste e dos Estados Unidos.

O responsável da Padaria Amarelo já recebeu a informação de que a farinha que vier a adquirir vai ter “um grande aumento” de preço e receia que a matéria-prima “se acabe”, impedindo-o de trabalhar.

 

Recomendadas

PremiumOCDE deixa quatro recados a Portugal, do PRR ao orçamento

A OCDE está menos otimista do que estava no verão quanto à evolução da economia portuguesa no próximo ano, tendo revisto em baixa a previsão de crescimento do PIB. Aproveitou também para alertar para a importância do PRR e da consolidação orçamental.

OE2022: Segurança Social regista excedente de 3.358 milhões de euros até outubro

A receita da Segurança Social aumentou em 9,1% e atingiu os 28.387,7 milhões de euros até outubro, enquanto a despesa caiu 0,5% para 25.030,1 milhões de euros, de acordo com a síntese divulgada hoje pela Direção-Geral do Orçamento (DGO).

PremiumBCE e Fed avaliam peso da subida de juros e ritmo pode abrandar nas próximas reuniões

As atas das mais recentes reuniões de política monetária na zona euro e EUA mostram uma preocupação de ambos os bancos centrais com o abrandamento da economia, dando esperanças de subidas menos expressivas dos juros nos próximos meses, embora os sinais neste sentido sejam mais fortes do outro lado do Atlântico.
Comentários