Paolo Barilla. Das pistas de Fórmula Um para milionário do esparguete

Chegou a ser apontado como um prodígio das pistas, mas a carreira na Fórmula Um não viveu um grande sucesso. Mas, fora do desporto a história é bem diferente. Enquanto empresário, é vice-presidente da mais valioso marca de pasta do mundo.

Paolo Barilla chegou a ser uma promessa das corridas de carros na juventude. Venceu a corrida 24 Horas de Le Mans em 1985 mas, desde essa altura, não teve muito sucesso em Formula Um deixar as pistas. Agora, com 61 anos, é multimilionário, mas pela via empresarial, já que é vice-presidente e um dos herdeiros da mais valiosa marca de pasta italiana de todo o mundo.

O agora ex-piloto terminaria a carreira antes de completar 30 anos. Após a saída das pistas, dedicou-se sobretudo ao negócio que recebeu da família, a Barilla Holdings. Trata-se da maior empresa produtora de pasta de todo o mundo e é detida em 85% pelo antigo atleta, em conjunto com a irmã Emanuela, e os irmãos Guido e Luca, de acordo com o diário britânico “Daily Star”.

Paolo Barilla faz parte da quarta geração que herda a companhia da família. Estima-se que a empresa faça vendas na ordem de quase quatro mil milhões de euros ao ano. Ao longo do tempo, a marca cresceu em vários países, tendo adquirido empresas em França, Turquia e Grécia, de acordo com a página online da revista “Forbes”.

Recomendadas

Conselho da UE anuncia apoio de 40 milhões de euros para o exército da Moldávia

Este apoio complementa a contribuição europeia de sete milhões de euros, feita em dezembro de 2021, destinada na altura a capacitar o Serviço Médico Militar do Batalhão de Engenharia das Forças Armadas moldavas. 

Ucrânia: Diplomacia russa protesta contra afirmações ‘grosseiras’ de Johnson

Em comunicado, o Ministério adiantou que Deborah Bronnert recebeu um protesto “firme” contra “as afirmações abertamente grosseiras a respeito da Federação Russa, do seu dirigente, dos seus responsáveis, bem como do povo russo”.

ONU classifica de “revés” decisão judicial que limita regulação ambiental nos EUA

A ONU considerou que retrocessos em países que produzem grandes quantidades de emissões prejudiciais ao ambiente, como os Estados Unidos, tornam “mais difícil alcançar os objetivos estabelecidos no Acordo de Paris para um planeta mais saudável e em que se possa viver”.
Comentários