Papa critica “falso respeito” que leva a omitir referências a Jesus Cristo no Natal

“Atualmente, estamos a assistir a uma espécie de ‘desnaturalização’ do Natal. Em nome de um falso respeito (…) eliminando a referência ao nascimento de Jesus”, disse o papa Francisco

Reuters

O papa Francisco alertou hoje para a descaracterização do Natal por parte de uma sociedade que se baseia “num falso respeito” e que na prática “elimina” a referência ao nascimento de Jesus.

“Atualmente, estamos a assistir a uma espécie de ‘desnaturalização’ do Natal. Em nome de um falso respeito (…) eliminando a referência ao nascimento de Jesus”, disse o papa Francisco num encontro com fiéis de língua espanhola na Cidade do Vaticano.

Francisco acrescentou que “é Cristo que dá sentido a tudo o que celebramos”.

“Sem Jesus não há Natal. E, se no centro está Ele (Jesus), tudo à volta: as luzes, os sons, as múltiplas tradições locais e as comidas típicas contribuem para criar um ambiente de festa”, sublinhou o chefe da Igreja católica.

O papa afirmou que a “verdadeira luz” é a que representa Cristo, mas que atualmente a humanidade prefere a obscuridade porque sabe, sublinhou, que a luz pode revelar ações e pensamentos que podem causar remorso.

Recomendadas

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.

Preço médio das casas do Canadá vai custar perto de 500 mil euros até ao fim de 2023

Aumento das taxas de juro acima do previsto pelo Banco do Canadá estão a fazer com que os custos com a habitação consumam 60% das finanças das famílias, o valor mais elevado desde 1990.
Comentários