Papa Francisco regressa ao Vaticano na TAP em 2017

A transportadora aérea portuguesa também transportou os três anteriores Papas nas suas visitas oficiais a Portugal.

A TAP vai assegurar a viagem de regresso a Roma do Papa Francisco, após as comemorações do centenário das aparições em Fátima, confirmou hoje o Vaticano.

A companhia aérea portuguesa já reagiu à confirmação do Vaticano e mostrou-se satisfeita por participar na vinda do Papa a Portugal. “Esta será uma viagem marcante e de enorme prestígio para a TAP, a companhia aérea portuguesa que teve já, ao longo dos seus mais de 71 anos de história ao serviço de Portugal, a distinção de transportar outros três Papas por ocasião das Suas visitas ao nosso País, designadamente, o Papa Paulo VI em 1967, o Papa João Paulo II em duas viagens, em 1982 e 1991, e o Papa Bento XVI em 2010”, pode ler-se no comunicado de imprensa emitido pela companhia aérea portuguesa.

A vinda do Papa a Portugal enquadra-se nas comemorações do centenário das aparições em Fátima, que decorrerá nos dias 12 e 13 de maio do próximo ano.

Recomendadas

OCDE. Escassez de energia pode levar a recessão na Europa e aumentar inflação em 1,5 pontos percentuais

Uma escassez de energia mais grave, especialmente de gás, poderia aumentar a inflação da zona euro em 1,5 pp (pontos percentuais) e reduzir o crescimento na Europa em mais de 1,2 pp, levando a uma recessão, alerta a OCDE.

OCDE mais pessimista para 2023 vê economia da zona euro crescer 0,3% e inflação de 6,2%

Nas previsões económicas intercalares divulgadas hoje, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) revela-se mais otimista sobre o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) da zona euro deste ano, melhorando a estimativa em 0,5 pontos percentuais (pp.) face a junho, para 3,1%, mas cortou em 1,3 pp. a de 2023 para 0,3%.

OCDE mantém crescimento global deste ano de 3% mas corta o de 2023 para 2,2%

A OCDE manteve as perspetivas de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) mundial deste ano em 3%, prevendo que as economias do G20 cresçam 2,8% (menos 0,1 ponto percentual (pp.) do que em junho).
Comentários