Para Ulrich prazo para propostas para o Novo Banco “é exequível”

O presidente do BPI vê como “exequível” a entrega de propostas vinculativas ao Novo Banco até “meio do segundo trimestre”, tal como foi apontado pelo governador do Banco de Portugal. Fernando Ulrich garante ainda que a instituição que lidera tem “condições” para avançar para a compra do Novo Banco, num todo, se a operação se […]

O presidente do BPI vê como “exequível” a entrega de propostas vinculativas ao Novo Banco até “meio do segundo trimestre”, tal como foi apontado pelo governador do Banco de Portugal.

Fernando Ulrich garante ainda que a instituição que lidera tem “condições” para avançar para a compra do Novo Banco, num todo, se a operação se confirmar interessante.

“O BPI tem condições para mobilizar aquilo que é necessário para uma operação dessas [adquirir o banco como um todo], se ela confirmar o interesse que pensamos que pode ter. Temos condições para mobilizar aquilo que é necessário”, frisou o presidente do banco.

O responsável, que falava à Lusa e SIC Notícias à margem da entrega dos Prémios da revista Exame que decorreram na segunda-feira à noite, disse ainda que ” desde que seja fornecida a informação necessária em processos destes”, considera “exequível” o prazo avançado pelo governador do Banco de Portugal para receber as propostas vinculativas.

Carlos Costa disse na comissão parlamentar de inquérito à gestão do BES e do Grupo Espírito Santo (GES) na segunda-feira que as ofertas indicativas deverão surgir no começo do próximo ano e as vinculativas entre abril e “meio do segundo trimestre”.

Fernando Ulrich acrescentou que, sem mais novidades, o banco continua a analisar com interesse a possibilidade de adquirir o Novo Banco.

 

OJE/Lusa

Recomendadas

Santana Lopes perspetiva ano económico “muito difícil” em 2023

Santana Lopes mencionou também o aumento “escandaloso” de quatro vezes a taxa base do custo da tarifa de tratamento dos resíduos sólidos urbanos a pagar à Empresa de Resíduos Sólidos Urbanos do Centro (ERSUC), cujo acionista base é privado.

Preços da energia em Itália vão subir ainda mais apesar de já estarem elevados

O Executivo de Roma já dedicou este ano 60 mil milhões de euros a medidas para procurar reduzir o impacto da subida destes preços.

Crise/inflação: Costa recusa razões para alarmismo sobre panorama dos créditos à habitação

António Costa procurou assegurar que o seu Governo está “atento” face ao impacto da subida dos juros nas prestações a pagar pelas famílias com créditos à habitação.