Paris. Hollande considera ataque “ato de guerra”

François Hollande considera que os atentados de sexta-feira à noite em Paris foram um “ato de guerra” de “um exército terrorista” do movimento do Estado Islâmico. No ataque de sexta-feira, perpetrado simultaneamente em vários locais de Paris, incluindo um recinto onde decorria um concerto, morreram pelo menos 128 pessoas. O Presidente francês decretou luto nacional por três […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

François Hollande considera que os atentados de sexta-feira à noite em Paris foram um “ato de guerra” de “um exército terrorista” do movimento do Estado Islâmico.

No ataque de sexta-feira, perpetrado simultaneamente em vários locais de Paris, incluindo um recinto onde decorria um concerto, morreram pelo menos 128 pessoas.

O Presidente francês decretou luto nacional por três dias e pediu “unidade e sangue-frio aos franceses, na sequência dos ataques, entretanto reivindicados pelo Estado Islâmico.

“O que aconteceu ontem [sexta-feira] é um ato de guerra (…) que foi cometido pelo EI, organizado a partir do exterior e com cúmplices interiores que o inquérito deverá estabelecer”, declarou o presidente francês, no Eliseu, lê-se no Jornal de Notícias.

Estes ataques foram “um ato de guerra… cometido por um exército terrorista (…) contra a França, contra aquilo que somos, um país livre”, declarou o Presidente francês.

Hollande fala segunda-feira no Parlamento francês para informar sobre as medidas a adotar daqui em diante.

Segundo o Jornal de Notícias, citando fontes policiais francesas, morreram pelo menos 128 pessoas e 180 ficaram feridas, 80 das quais em estado crítico, em diversos atentados em Paris, na sexta-feira à noite. Oito terroristas, sete deles suicidas, que usaram cintos com explosivos para levar a cabo os atentados, morreram, segundo as mesmas fontes.

Os ataques ocorreram em pelo menos seis locais diferentes da cidade, incluindo uma sala de espetáculos e o estádio nacional, onde decorria um jogo amigável de futebol entre as seleções de França e da Alemanha.

A França decretou o estado de emergência e restabeleceu o controlo de fronteiras na sequência daquilo que o Presidente François Hollande classificou como “ataques terroristas sem precedentes no país”, conclui o jornal citado.

Também a União Europeia “está profundamente chocada e de luto depois dos ataques terroristas em Paris”. Assim começa a  declaração conjunta dos chefes de Estado e de Governo e dos líderes da União Europeia e das instituições europeias sobre os ataques terroristas de sexta-feira à noite em Paris.

A UE convida todos a unirem-se num minuto de silêncio em memória das vítimas do atentado segunda-feira, 16 de novembro, pelas 12h00 (meio-dia), para recordar 13 de novembro de 2015, como um dia de luto europeu.

OJE

Recomendadas

Primeira-ministra da Finlândia lamenta atrasos na ratificação da entrada do país e da Suécia na NATO

“O processo está a demorar mais do que gostaríamos. Já deveríamos ter sido aceites e o processo de ratificação deveria estar concluído”, disse Sanna Marin numa entrevista na rádio pública finlandesa, citada pela agência EFE.

Pelo menos 11 mortos em deslizamento de terras nos Camarões

De acordo com a agência France-Presse (AFP), ao início da noite, quatro corpos, cobertos por lençóis brancos, foram retirados pela polícia no bairro de Damas, na periferia de Iaundé. No local, relata um jornalista da AFP, estavam hoje à noite centenas de moradores em pânico, à procura de familiares e amigos, e equipas de resgate a tentar chegar ao local do acidente.

Cabo Verde quer reforçar combate à pobreza com aumento de 25% da taxa turística

Governo liderado por Ulisses Correia e Silva prevê arrecadar 8,6 milhões de euros com o aumento da taxa, que serão canalizados para o fundo de financiamento Programa Mais, Mobilização pela Aceleração da Inclusão Social, concebido para apoiar projetos de combate à pobreza extrema e exclusão social, segundo a Forbes África Lusófona.